2.abr.2013

02 de Abril: Dia Mundial da Conscientização Sobre o Autismo { Fala, Fono! }

Olá, mamães!

Hoje, falaremos sobre o Autismo, este distúrbio do desenvolvimento, que tem como característica básica a falta de comunicação.

O autismo é um distúrbio neurológico que dura a vida toda, é mais comum em meninos do que em meninas. Acredita-se que em torno de 67 milhões de pessoas são afetadas pelo espectro autista.

A criança autista apresenta inabilidade para interagir socialmente, com falta de contato visual com o outro, dificuldades de linguagem ou realização de jogos simbólicos e padrão de repetição de gestos, como ficar se embalando, ou mexendo as mãos, etc.

Existem quadros mais leves, como a síndrome de Asperger, onde a pessoa não apresenta comprometimento na inteligência ou na fala, inclusive apresente Q.I. elevado para a idade, mas também há quadros em que não há nenhum tipo de comunicação, além de poder existir retardo mental e quadros de intensa agressividade.

Principais sinais de Autismo no bebê:
– Ausência de sorriso ou outra expressão de felicidade, a partir dos 6 meses de idade;
-Não imita sons, sorrisos ou outras expressões faciais a partir dos 9 meses de idade;
-Não responde quando chamado pelo seu nome, por volta dos 10 meses de idade;
-Não tem contato visual com outras pessoas: não olha nos olhos;

É importante que os pais fiquem atentos a esta ausência de comunicação e linguagem, e, se ficarem na dúvida, procurem orientação do pediatra.

Os sintomas do autismo aparecem nos primeiros meses de vida, mas ficam mais evidentes por volta dos 3 anos de idade, que é onde os pais irão notar a dificuldade do filho em se comunicar com o mundo exterior.

Outros sintomas de Autismo:
– A criança é voltada para si mesma, não estabelecendo comunicação com outras pessoas nem com o ambiente;
– Muitas vezes é capaz de falar, repetindo as palavras, mas sem sentido, não utilizando a fala como instrumento de comunicação;
-Inteligência normal ou superior, mas falta de interação social;

Tratamento do Autismo:

  • Como o autismo se trata de uma doença crônica, é necessário um tratamento continuado e individual: cada pessoa deve ser tratada de acordo com suas necessidades.
  • Deve-se estimular o desenvolvimento da linguagem, proporcionando formas de comunicação, explorar suas habilidades, auxiliar a criança a conviver em sociedade e obedecer a regras, etc.

É importante que a família esteja sempre presente, pois uma criança com autismo pode comprometer a comunicação familiar como um todo. A família deverá estabelecer um tipo de comunicação, para que a criança possa se fazer entendida. Muitas vezes todos os membros da família necessitam de apoio psicológico para lidar com a situação.

E hoje convido todos a se vestirem de azul e postarem uma foto no seu facebook ou instagram!!

Essa é a história do Theo, que a mãe André conta no Blog Lagarta Vira Pupa, ” quanto antes for feito o diagnóstico, mais chances a criança tem de viver uma vida plena e independente.”

Abraço,
Taís Alves Batschauer
Fonoaudióloga CRFª 9309/RS
Porto Alegre, RS
[email protected]

Comente pelo Facebook

Leia mais!