23.mar.2012

A pracinha do condomínio



A pracinha é um daqueles ambientes que não tem muitas regras de convivência. O que vale é o bom senso de cada mãe e a educação de cada criança. Só que o que é certo para mim, pode não ser certo para você. A educação que eu dou para meu filho pode ser diferente da educação que você dá para o seu filho. A pracinha é de longe um lugar tranquilo para brincarmos com as crianças.
Na pracinha reúne variados tipos de pessoas, crianças e seus pais, avó ou babás, podemos dizer que é como se fosse uma selva. Cada criança querendo marcar seu território e seus objetos. Tem as mães que ficam conversando enquanto as outras mães tem que cuidar dos filhos delas. Tem as mães que levam livros e fingem não ver o seu filho batendo nas outras crianças. Tem criança que não gosta de emprestar o seu brinquedo, mas quer brincar com os brinquedos dos outros. Tem criança que é boazinha, empresta seus brinquedos e quando vê os outros não deixam a própria brincar com seus brinquedos.
A pracinha dos condomínios e dos parques do mundo devem ser iguais, aquele lugar que as crianças adoram para gastar as energias acumuladas de uma vida em apartamento. E que as mães não adoram tanto assim, pois conviver com outras mães que não escolhemos para conviver, mas que somos muitas vezes obrigadas a conviver não é fácil. Sim é bom que todos sejamos diferentes e convivamos bem, mas e quando não é bem assim? Quando a convivência é difícil, os filhos não se dão bem, e a pracinha é aquela guerra?
Eu sou daquelas mães que deixa as crianças se entenderem, mesmo que do jeito deles, nas falas deles, nas mimicas e risadinhas que mais parecem simples risadinhas, mas que nada, eles se entendem do jeito deles. Gosto de brincar junto, inventar brincadeiras, juntas as crianças de várias faixas etárias, mas também gosto e muito de tomar um chimarrão com as mães que me dou bem e falar umas besteiras, mãe também fala besteira.
Mas tem aquelas mães que gostam de se meter nas brincadeiras, impondo regras, ou mesmo quando acontece um simples desentendimento entre as crianças, elas chegam como se estivessem falando com adultos da laia dela. De igual para igual e a criança fica olhando com aquela cara de que não está entendendo naaada.
O fato é que a pracinha parece um ambiente tão inocente, mas que não é, e muitas vezes deixamos de ir por causa do que pode acontecer, e do desgaste dessa convivência.
Nunca falei sobre pracinha por aqui, sempre levo o Antônio, ou pela manhã, ou a tarde, ou os dois, depende de quem está na pracinha, pois tem vizinhas que leem o blog, mas não é de vocês que estou falando, tá,gurias?
Quando seu filho bate ou apanha na pracinha, o que fazer? 

Já aconteceu isso com vocês?
Ah, eu sempre pensei que poderia acontecer, mas nunca com meu guri, que é super na dele, empresta os brinquedos e é mais novinho que as crianças da pracinha. E hoje aconteceu. As crianças brincavam na areia, com baldinhos, pázinhas, bichinhos, colherinhas, tudo na santa paz. E eu tomando chimarrão com as outras mães, com as antenas ligadas, mas achando fofo aquela reunião de crianças em torno dos brinquedinhos de todos. Daqui a pouco a vizinha que estava na outra mesa, lendo um livro, levanta e diz para o filho não bater nos outros…e eu chocada fui ver, daqui a pouco percebi que os outros era o Antônio, que veio reclamar para mim, mas nem chorou. Um pouco antes disso acontecer a vizinha estava dizendo para o filho deixar o Antônio brincar com os brinquedos, pois os brinquedos eram dele (Antônio), eu disse que deixasse eles se entenderem que desde que não rolasse pancadaria tudo bem. E não é que o guri resolve que não apenas não deixa o Antônio brincar com seus próprios brinquedos ele ainda merece um tapa, que eu nem vi onde foi, foi super rápido. E a mãe do outro guri foi lá e disse que não era para bater nas outras crianças e tascou um tapa na mão.
Ótima lição do dia para esse menino…não bata nos outros se não a sua  mãe bate em você!
E a minha lição é que devemos estar sempre de olhos abertos, atentos, porque daqui a pouco nosso filho pode apanhar diariamente de alguma criança e a gente nem saber. Eu não pretendo ir na pracinha quando esse menino estiver lá, para não correr o risco de apanhar da mãe ou dele.

Dicas para curtir a pracinha sem tanto estresse, porque eles se divertem sempre, já as mães…
:
* Não levar brinquedos que possam quebrar ou estragar facilmente, pois os brinquedos na pracinha é da galera, e aquele brinquedo que você cuida há meses para não molhar, ou entrar areia pode ser estragado por outra criança, e aí você perde o brinquedo, pois ninguém assume quem estragou;

* Levar potes de margarina, de sorvete, e muitos as crianças adoram e nem todas as mães levam brinquedos, então temos que garantir a brincadeira da criançada, que se diverte com tudo isso e mais um pouco;

* Se houver algum desentendimento tem que se resolver na hora, fazer a criança pedir desculpas e ver que errou, se a mãe da criança não fizer…faça você mesma, esteja preparada, na pracinha tudo pode acontecer.

E por aí?
Me contem se já aconteceu situações difíceis e complicadas, e como vocês solucionaram?

Comente pelo Facebook

Leia mais!