7.abr.2017

Antes de ser mãe…

Antes de ser mãe, acreditava que fosse simples. Bastava muito amor, um pouco de paciência, que com uma boa conversa qualquer problema se resolveria. 

Hoje eu sei que não existe nada mais punk que ser mãe! O amor nasce ainda antes do filho nascer, ele nos transforma de menina em mãe, verdadeira leoa que defende sua(s) cria(s) de qualquer um que se meter a besta com ele(s). Olhamos com cara feia para os “pitaqueiros” de plantão, defendendo nossas escolhas com unhas e dentes, pois acreditamos que elas são as melhores escolhas para nosso(s) filho(s). Um pouco de paciência? Que nada! Um muuuuuito! Aquele(s) bebê(s) que a gente pariu, ou não, amamentou, ou não, trocou fraldas, deu banho, passou amido de milho, pois é melhor do que talco, passou lição, deu muito cheiro e beijo, trocou quantas roupinhas quantas vezes fossem necessárias, ora por fralda que vazou, ora por vomito, ora suor, cuidando e nos dedicando noite e dia, se transformariam em criancinhas com vontades próprias! Sim, o(s) filho(s) tem suas vontades e muitas vezes, não aceitam um simples não como resposta! Eles querem saber o por quê do por quê do porque, ora bolas… E eu que sempre acreditei que uma boa conversa resolveria qualquer problema, cuspi pra cima e caiu bem no meio da minha testa, só eu sei quantas vezes eu conversei e ele(s) simplesmente não me escutou. Me abaixei na altura dele, olhei nos olhos, falei pausadamente, pedi uma, duas, três vezes e nada… Alguns dirão que é mau educado, outros dirão que é mau aprendido, eu sei que ele é “apenas” uma criança e por vezes faz um “show” porque precisa de mim, quer minha atenção, ainda que seja negativa, ainda que saiba que vou reprovar tal atitude, ao menos assim, será só eu e ele, olho no olho, explicando uma vez, ou quantas forem necessárias o por quê do por quê do por que…

Eu sei, dizem que a nossa geração está criando um bando de crianças que não sabem lidar com frustrações, mas eu acho que estamos criando um bando de crianças carentes de atenção e de amor, que são obrigadas a se contentarem com presentes, pois os cuidadores estão ocupados demais em ter sempre mais, esquecendo de serem mais presentes! 

Beijos
Angi

Comente pelo Facebook

Leia mais!