18.jun.2015

Antônio, a luta na pracinha e os R$10,00!

Todos os dias, quando o Antônio chega em casa, ou quando busco ele na escola, perguntamos como foi o dia dele e ele conta absolutamente TUDO! Impressionante, como aos 4 anos, ele já tem um baita senso de humor, faz piadinhas, muitas vezes nós temos que nos controlar para não rir na frente dele, mesmo achando engraçado.

Nessa terça-feira, o maridão foi pegá-lo no judô, no final da aula, o Sensei estava falando sobre a prova de troca de faixa, que ele terá em breve, e contou que ele fica sabendo de tudo. Que ele conversa com as professoras dos judocas, se estão indo bem na escola, se andam brigando na pracinha, e quem faz uma coisa ou outra, não mudará de faixa. O Antônio fez uma cara de preocupado, levantou a mão para perguntar sobre as brigas na pracinha, e o professor falou que quem quer mudar de faixa, ser lutador de judô, não pode brigar/lutar na pracinha, que lugar de lutas é no tatame, na aula de judô! Então Antônio murmurou bem baixinho dizendo que não brigaria mais na pracinha… 

Eu achei muito estranho quando o marido me contou a história, e perguntei para ele sobre essa tal briga na pracinha, como tinha sido e com quem… O Antônio disse nome de mais 3 coleguinhas que lutaram na pracinha e continuou: “Mamãe, é que eu achei R$10,00 na pracinha e quando fui guardar na minha mochila, os meus colegas queriam tirar de mim. Então resolvemos fazer uma luta e quem ganhasse ficaria com os R$10,00”. #OhCéus #IssoAos4Anos 

Eu juro que me controlei, mas achei muito engraçado os 4 lutarem na pracinha por R$10,00 . Aquilo não entrava na minha cabeça. Mas comecei meu “discurso de mãe” e  disse para ele que não é para brigar por dinheiro nenhum. Depois disse que quando ele achar um dinheiro é para tentar achar o dono que deve estar bem preocupado precisando do dinheiro, se não tem ninguém procurando algo em volta, dê para professora, no caso da escola. 

Nos divertimos muito com essa história até chegarmos na casa da minha avó, estávamos indo visitar a minha mãe. O jeito que ele nos contava, super orgulhoso com os R$10,00 que achou, era de rir, apesar de todo o contexto, tínhamos que rir disfarçadamente. 

Vocês devem estar se perguntando: “mas o que que tem demais, por que a Angi resolveu contar essa história no Blog”? 

Pois então… no outro dia quando o marido foi colocar a merenda na mochila, eis que ele achou o dinheiro e ta aí os R$10,00 que fez o Antônio lutar com os colegas na pracinha e se encher de orgulho que tinha R$10,00!

10reais

E quando disse para ele que aquele era dinheiro de “mentirinha” que não tinha valor, que era de brincadeira, ele ficou super brabo e não acreditou em mim!

“Antônio, meu filho, você não existe! Mamãe, te ama muitoooo!!”

Beijos 

Angi

 

 

Comente pelo Facebook

Leia mais!