12.fev.2015

Aqui e Agora! Sobre a criança e o “tempo”.

Oi mamães, hoje tenho o prazer de apresentar uma nova colunista, a Cristine Flores. Nos conhecemos ano passado, ela é uma leitora do Blog, e ficamos super amigas, até que há umas duas semanas, em um Happy Hour de amigas, entre um gole e outro de suco de morango, a convidei para ser colunista do Blog, e ela topou na hora! Tenho certeza que vocês vão adorar essa novidade, a Cris trará dicas e reflexões super interessantes sobre filhos! Beijos, Angi

tempo

Quando um bebê nasce ele só conhece uma forma de se relacionar o tempo: o “agora”. Se suas necessidades não forem supridas em um curto espaço de tempo ele “coloca a boca no mundo”. Isso é natural. Afinal de contas, na barriga da mamãe ele tinha tudo que precisava a hora que ele queria não é mesmo?!

A medida que o ser humano cresce, precisa aprender a se relacionar com o tempo. Nem todas as coisas podem acontecer no momento que queremos. Esperar é preciso! Essa lição é tão difícil quanto importante na vida de qualquer pessoa. Com paciência, perseverança e muito amor você pode guiar seu filho nesse aprendizado. Afinal, os pais são os melhores professores que uma criança pode ter.

A dificuldade que crianças pequenas tem de esperar ou de parar de fazer o que gostam é devido a fase chamada “egocentrismo”. Porém, existem estratégias que podem ajudar para que a relação da criança com o tempo seja vivenciada de forma mais tranquila.

1) ROTINA: Manter uma rotina com as crianças colabora não só para um dia-a-dia mais organizado e tranquilo, mas também as ensina que as atividades tem hora para acontecer, a “hora do almoço”, a “hora de ir para a pracinha”, a “hora de tomar banho”, etc.  Uma sugestão é enfatizar para a criança os “momentos” que estão sendo vividos, você pode dizer: “Filho, vamos para a rua, agora é a hora de brincar na praça!”. Ou “Agora é a hora do lanche, a hora de brincar acabou. Amanhã podemos brincar de novo dessa brincadeira que você gostou”.

2) PREVISIBILIDADE: Imagine que você está no meio de uma festa, se divertindo muito e de repente as luzes se apagam e alguém avisa que acabou. Isso pode ser um pouco frustrante. Agora, imagine isso para uma criança. Quando a criança está fazendo algo que gosta muito é importante avisá-la alguns minutos antes que a brincadeira está prestes a acabar. Isso pode evitar alguns “chiliques”. A previsibilidade também pode ajudar quando você for em algum evento com a criança, se for algo que ela goste ou espera muito, é comum ficar ansiosa (até os adultos ficam). Por isso, antes de sair de casa converse como as coisas acontecerão. Se for uma peça teatral por exemplo, explique que vocês vão entregar o bilhete, talvez ficar em uma fila, procurar lugar para sentar, depois as cortinas se abrirão, etc. Isso ajudará seu filho a controlar a ansiedade da espera.

3) MARCAÇÕES DO TEMPO: Esperar a hora de entrar na piscina, a hora de ir pra praça, o dia do aniversário, pode parecer uma eternidade para as crianças. Nesses momentos utilize-se dos “marcadores de tempo”, assim elas conseguem ter segurança que o momento esperado vai chegar. Mostre o relógio para seu filho e explique: “Filho, quando o ponteiro maior chegar no 12 poderemos entrar na piscina” ou “quando o sol ficar fraquinho é a hora do papai chegar em casa”, o famoso “calendário” para marcar os dias que faltam para um evento importante funciona muito bem também.

4) A HORA DE DORMIR(Minha Experiência): Aqui em casa, até pouco tempo atrás, a hora de dormir não era muito fácil. Meu filho era daquelas crianças que “brigavam contra o sono”. Até que um dia, comprei um livrinho que narrava o dia de um ursinho. Não tinha muita qualidade “literária”. Mas foi bem didático, pois todos os dias à noite, eu lia para meu filho, conversávamos sobre tudo o que o ursinho havia feito desde que acordou até dormir e depois lembrávamos de como tinha sido o nosso dia… Aos poucos (quase um mês depois) percebi que o Cristóvão havia entendido que o dia tem um início e um fim e que depois de um dia com atividades legais é preciso descansar, pois outro dia virá! Foi uma vitória! Hoje ele sabe quando está chegando a hora de dormir e até pede para deitar na caminha, sem brigas, sem stress.

Vale lembrar que quando falamos em desenvolvimento infantil não existe “receita de bolo”. O importante é que os pais compreendam a fase que seus filhos estão vivendo e estejam dispostos a ensiná-los. Alguns conceitos precisam ser ouvidos e vivenciados várias vezes até que sejam aprendidos.

Cristine Flores, mãe do Cristóvão, Pedagoga, Especialista em Educação Infantil e Cursando Mestrado em Educação.