22.fev.2017

BIRRAS… saiba porque você precisa resolver!

Oi gurias, hoje a Ana Paranzini está aqui para refletirmos sobre um assunto que interessa a todas nós: BIRRA! Quem ainda não curtiu a fan page da Ana curte AQUI, ela sempre dá dicas sobre como lidarmos com diversas situações e como educar nossos filhos com amor e limites!

Quem tem criança em casa já teve ter passado por situações irritantes e constrangedoras quando o filho faz birra.

Quando uma criança nasce ela precisa se sentir amada e segura e, por uma questão de sobrevivência, ela precisa comunicar ao mundo seus desconfortos e necessidades. Instintivamente é através do choro que ela faz isso!

A criança é egocêntrica por natureza, ou seja, não se distingue do outro, querendo fazer valer suas vontades… e se não for ensinada de que seus desejos e necessidades nem sempre poderão ser imediatamente satisfeitos, ela cresce acreditando que pode ter tudo o que deseja.

Quando os bebês começam a andar e a falar estão em aprendizagem constante. Todos os dias experimentam novos desafios e novas conquistas e precisam dos adultos para guiar esses aprendizados…. quando surgem os primeiros NÃOS na vida criança, surge também a demonstração de desagrado, que inicialmente pode ser observada através do choro. No entanto, algumas crianças desenvolvem um padrão mais elaborado de fazer valer os seus desejos: umas gritam, outras se jogam no chão, algumas saem correndo e outras ainda se maltratam – batem a cabeça na parede ou se beliscam…

Todas essas atitudes representam uma FRUSTRAÇÃO!!! Diante de um desejo ou necessidade que não é atendido, a criança emite todos esses comportamentos com o intuito de conseguir o que quer!!

Geralmente, as crianças fazem birras nas situações mais constrangedoras possíveis: no shopping, no play do condomínio, na presença de visitas… Irritados, sem paciência e envergonhados, os pais querem logo se livrar da birra e acabam cedendo ao pedido da criança… Pronto! Está instalado um padrão inadequado de conseguir o que se quer.

Esse cenário traz prejuízos à família como um todo. As relações familiares tornam-se aversivas e o convívio social fica comprometido, uma vez que muitos adultos se privam de passeios com a criança para evitar constrangimentos.

No entanto, a criança é a que irá ter mais danos emocionais a médio e longo prazo. A curto prazo, agindo dessa forma, ela conquistará o que deseja (e ela entende que isso é bom para ela!), mas a médio e longo prazo, as consequências de birras não resolvidas serão inevitáveis!!

Quando os adultos cedem às birras das crianças, eles estão criando cidadãos narcisitas, egoístas, com falta de foco e que acreditam que “tem direito a tudo”! As crianças crescem achando que basta querer algo, que terão, não importa se conseguem por vias de uma atitude inadequada.

Elas têm tudo o que querem e são INFELIZES!! Crescem achando que só quando GANHAM ALGUMA COISA é que são realmente amadas! Isso é muito triste….

Sem contar que, à medida que se relacionam com os pares, passam a ser rejeitadas, pois, na convivência social, nas brincadeiras, ela quer tudo do jeito dela e não aceita se relacionar com quem não atende seus desejos…. com o tempo, fica isolada.

Essa já seria uma justificativa ímpar para intervir e solucionar as birras, mas ainda há o fato de que essa criança pode se tornar um adolescente ou um adulto impaciente, que busca por um mundo de gratificação instantânea, o que não é possível no trabalho e nos relacionamentos saudáveis.

O índice de adolescentes e adultos com depressão, uso e abuso de álcool e drogas é alarmante e uma das influências nesses comportamentos depreciativos se deve ao fato de que eles não foram ensinados a LIDAR COM A FRUSTRAÇÃO!! Seu limiar de tolerância é baixíssimo e sua auto confiança está comprometida.

Ajude o seu filho encontrar o prazer real da vida e o caminho da felicidade!! Aprenda o que fazer diante das birras dele!

 A medida que ela cresce, precisa aprender maneiras mais adequadas de comunicar seus desejos e necessidades que não somente através do choro.

 Ana Paranzini

Psicóloga CRP 08/09142

Comente pelo Facebook

Leia mais!