11.maio.2011

Blogagem Coletiva – As marcas do amor: na pele, na vida

A Júlia e a Débora propuseram que falássemos sobre como fica nossa vida após a maternidade, e como é difícil falarmos sobre nós mesmas, pós parto, nossa carreira, as mudanças do corpo, relação marido-mulher, as amigas!! A intenção não é reclamar, minha vida está muito boa, mas aconteceram algumas mudanças, que nem todas mulheres contam, porque é difícil falar das coisas que não estão tão boas assim! Sou muito verdadeira com as pessoas, e mais verdadeira comigo mesma, então lá vai!
Minha vida mudou completamente desde que o Antônio nasceu, esses dias estava lembrando de como foi o pós parto, o parto do Antônio foi cesária, queria muito um parto normal, induzi, mas não tive dilatação, não estava preparada psicologicamente para cesária, acho que deveria ter conversado com o médico, a consulta para falar sobre cesária seria no dia seguinte. Já no quarto do hospital, quando pude tomar um banho, me olhei no espelho e pensei: “CORAGE”! Estava inchada, com pontos, sangue pelo ralo, o quadro da dor!!
O pós parto foi bem difícil, seroma nos pontos da cesária, dores, dificuldade para amamentar…com o tempo tudo foi superado!
Eu morava em Floripa, e voltei para Porto Alegre para ter o Antônio, e como estava com 8 meses, ficamos na casa do meu pai, ele estava morando e parecia ser o melhor a ser feito. Mas foi péssimo, morar na casa com meu pai, me deixou completamente estressada, pois ele me tratava ainda como filha. Os primeiros meses, sendo os mais difíceis para pais de primeira viagem, é um momento muito particular, não tivemos nenhum momento de casal em 8 meses!Foi muito, muito, muito difícil, a convivência com meu pai. Confesso que a maior dificuldade que tive, foi em como administrar minha relação com a família. Lembro das infinitas vezes que meu pai queria receber visitas, amigos deles, parentes, para “exibir” o neto, e eu só queria ficar em paz, depois de uma noite mal dormida, tinha que arrumar mesa para chá, fazer sala, arrumar a casa, só de lembrar me dá uma ansiedade! Moramos na casa dos meus pais 10 meses, foi necessário, desgastou muito a minha relação com ele, mas sei que com um tempo vai voltar a ser como antes.
Eu curto ser dona de casa, curto muito ser mãe em tempo integral, mas ao mesmo tempo tenho vontade de fazer algo mais da vida, fazer algo que gosto, tenho necessidade de ser reconhecida.Sempre que tem reuniões familiares me sinto perdida, pois não tenho assunto sem ser o filho, e me sinto excluída dos grupos, só querem saber do Antônio, da alimentação dele, sono,dente… Tudo bem, amo ser mãe, mas também sou mulher, sei falar de outras coisas. Eu tenho vontade de trabalhar um turno, mas como não tenho família que more perto, teria que deixá-lo na creche, e confesso que não quero além de ser caro, o inverno está chegando, e não quero que ele pegue viroses, sei que vou ficar neurótica.Tenho uma amiga que trabalha fora, são 4 horas, ela disse que é muito bom, quase não sobra dinheiro porque ela paga a creche, gasolina, mas ela disse que se tivesse que pagar para trabalhar ela pagava, que é muito bom! Então penso em trabalhar a noite, mas passo o dia trabalhando em casa, e ficaria muito cansada. Então, vou levando, cuidando do filho, da casa, e deixo de lado as minhas vontades. Na real, não sei o que faria, com educação física não me sinto valorizada, e se sou valorizada estando em casa, não sinto vontade de trabalhar fora para dizer que trabalho, quero me realizar de verdade, por mim, e não para as outras pessoas!
O meu corpo mudou muito, sempre fui magrinha, na gravidez ganhei coxas, minhas amigas acharam que fiquei com corpão. No final da gravidez, faltando 1 semana para o Antônio nascer, saíram algumas estrias, eu sempre falei para amigas que tiveram filhos, mas estrias não são nada demais, tudo por um filho. Continuo pensando assim, mas cá entre nós, estrias são horríveis, e ninguém merece. Realmente, eu não faço nada para emagrecer, queria muito fazer academia, mas, não tenho com quem deixar o baby, e temos outras prioridades, fraldas, lenços umedecidos, chupetas…e assim me saboto, e me deixo de lado mais uma vez!Sempre fui vaidosa, massagem, unhas feitas, cabelos hidratados, depilação em dia, hoje em dia as prioridades mudaram.Massagem? só quando o marido está de boa vontade. Unhas feitas? Fiz o pé uma vez desde que o Antônio nasceu, em 10 meses, juro que nunca tinha parado para pensar nisso. A mão eu não fiz, mas sempre pinto, compro lançamentos de esmaltes, e faço quando consigo, deve ser 1,2 vezes por mês. Cabelos eu cortei para ter menos trabalho, me arrependo muito, mas está crescendo e faço hidratação em casa. Depilação prefiro não comentar…não mesmo!
Sobre relação com maridão o que posso falar é que está muito boa, todos me perguntam se ele ajuda em casa. A resposta é SIM, mas ajuda não é a palavra certa, o marido tem a sua responsabilidade também, a gente divide as tarefas, e forma uma ótima dupla. A vida amorosa tem sido muito boa, e o tempo que temos só nosso é muito bem aproveitado, com certeza estamos sempre mais cansados que antes, mas é muito bom saber que temos um ao outro, revezamos até na madrugada. Tenho sorte na vida!
Enfim, as amigas… tenho muitas, e amo todas, cada uma vive uma fase de vida diferente, com suas prioridades. Tenho poucas amigas com filho, por isso muitas não entendem meu cansaço, e minha ausência nas festas. As vezes, me sinto muito sozinha, minhas amigas trabalham, e é difícil vê-las, final de semana é da família, e fico o dia inteiro com eles. Durante a semana, me organizo para passear com o baby, arrumar a casa, mas sinto falta das amigas, de falar besteiras, dançar, hoje meu dia gira em torno do Antônio, é mamá, fralda, papá, banho, lavar roupinhas, passar, casa, comida, se eu consigo tomar banho durante o dia é luxo, hoje dou valor a pequenas coisas.As amigas fazem muita falta no meu dia-a-dia, sinto falta de interagir, de ver o mundo lá fora, me obrigo a sair de casa para não pirar.A madrinha do Antônio vem 1 vez por semana nos ver, e é sempre muito bom! Com certeza ela é a madrinha perfeita!
Ainda não sei muito bem o que quero, não sei se um dia saberei. Sei que ser mãe, ser a mãe do Antônio, é sem dúvida a melhor coisa da vida! Sei que tudo está se ajeitando, estamos morando só nós 3 fazem 2 meses, e tem sido maravilhoso. Vou vivendo um dia após o outro, e tem sido ótimo assim! Sei que o baby está virando um mocinho, e em breve não dependerá tanto de mim, só o tempo dirá, e aí veremos o que será da mamãe aqui, será que virá mais um bebê ?
Vida simples, vivida em paz…
Lembrei da música do Ziggy Marley, True to myself (Sincero comigo mesmo)! Que vocês sejam felizes, e sinceras com vocês mesmas!

Comente pelo Facebook

Leia mais!