8.dez.2016

Como proteger meu filho do sol – Protetor solar!

Bom dia, Gurias.

Verão chegando, calor no “vem, não vem”, e todo mundo já programando as férias e pensando no protetor solar. Pensando nisso, a Dra. Fernanda do site SeuPediatra.com escreveu o texto de hoje para ajudar a proteger as crianças:

É importante lembrar que o protetor solar é liberado somente após os 6 meses de idade do bebê, por terem a pele mais delicada, mais fina e maior risco de absorver o produto e apresentar reações. Portanto, para os pequeninos devemos protege-los com roupas leves ou com fator de proteção solar, chapéu, e evitar a exposição ao sol, principalmente no horário de sol mais forte entre 10 e 16 horas.

Como funcionam os protetores solares para crianças?

O protetor solar pode funcionar fazendo uma barreira física na pele, impedindo que o sol penetre na pele refletindo os raios.

Ou ele pode ter uma ação química, através de substâncias que absorvem o calor dos raios nas camadas superficiais da pele e impedem que ela se queime.

A maioria dos protetores solares infantis misturam as duas maneiras de agir.

Como escolher o melhor protetor de acordo com a idade?

1) Antes dos 6 meses: nada de protetor solar. Proteger o bebê com roupas e chapéus.

2) Entre 6 meses e 2 anos: damos preferência aos protetores que tenham maior ação como barreira física, que normalmente contém dióxido de titânio e óxido de zinco na composição. Normalmente eles usam o nome “baby” ou “mineral” no produto. Mas existem alguns que misturam um pouco da ação química e também são liberados para essa idade. Leia sempre o rótulo e consulte seu pediatra.

3) A partir de 2 anos: a maioria das marcas fazem uma mistura entre os filtros físicos e químicos. Normalmente vem na embalegem como “Kids” ou “infantil”.

Qual fator de proteção utilizar?

O recomendado é que seja sempre acima de 30 FPS. Mas a maioria dos pais não aplicam a quantidade recomendada para a proteção, passam uma camada muito fina e a proteção pode cair até pela metade. Por isso, é melhor comprar um que tenha maior fotor de proteção como 50 FPS ou 60 FPS para não correr riscos.

O protetor solar infantil pode causar alergia ou dar reação?

Isso pode sim acontecer. Por isso que recomendamos sempre produtos especiais para crianças, que os pais verifiquem o registro do produto na ANVISA e que façam um teste em uma pequena área do corpo antes de aplicar em todo o corpo.

Eu prefiro que faça o teste alguns dias antes da data que você precisará utilizar grande quantidade, pois se houver reação você pode trocar o produto e levar outro para a praia e não estraga o passeio de vocês.

Algumas marcas só trabalham com fórmulas hipoalergênicas, que diminuem o risco de reação alérgica ao produto, outras marcas tem a versão normal e a versão para peles sensíveis. Atenção especial às crianças que já possuem alergia de pele como dermatite atópica, essas necessitam de orientação especial para não piorar as lesões.

Siga sempre a recomendação da sua médica!

Lembre-se também que a água e a areia refletem de 10 a 15% dos raios UV que causam as queimaduras e por isso precisa reaplicar o protetor mesmo quando estamos na sombra.

Nesse texto que escrevi no último verão dei algumas dicas de como aplicar o protetor solar corretamente nas crianças, clique AQUI para ler!

Beijos e Boas Férias a todos,

Dra. Fernanda Freire – Pediatra e Alergista em São Paulo

www.facebook.com/seupediatra

Comente pelo Facebook

Leia mais!