2.dez.2014

Coqueluche!

Mamães, em 2014 ocorreram vários casos de coqueluche no Brasil, o que é preocupante, mas antes de criar um “pânico” generalizado, temos que nos informar. Vocês sabem o que é a coqueluche, quais são os sintomas, como é o diagnóstico e como podemos nos prevenir?

O que é Coqueluche?

A coqueluche, pertussis ou tosse comprida é uma doença bacteriana altamente contagiosa que causa uma tosse forte, dificultando a respiração. Quando uma pessoa infectada espirra ou tosse, pequenas gotículas contendo bactérias se espalham pelo ar, sendo facilmente transmitida para outra pessoa.

Quais são os sintomas?

Os sintomas iniciais são bem parecidos com os de um resfriado: coriza e tosse. A tosse pode ser seca, com duração de até dois meses. Depois de exposto à bactéria, os sintomas aparecem entre 6 e 21 dias.

É importante observar, que durante os acessos de tosse, os lábios e unhas podem ficar azuis devido à falta de ar, podendo ocasionar o vômito, a perda breve de consciência ou até mesmo levar à morte.

Como é feito o diagnóstico?

O diagnóstico é basicamente clínico, mas também laboratorial, em amostras retiradas da nasofaringe, que determina a presença da bactéria Bordetella pertussis.  

Como podemos nos proteger?

A única maneira de prevenção é vacinação. A melhor época para a aplicação da vacina dTpa em gestantes é entre a 27a e a 32a semana de gestação (permite transferência de maior quantidade de anticorpos maternos para o feto), mas a vacina pode ser recomendada a partir da 20a semana até o momento do parto. Mulheres não vacinadas na gestação devem ser vacinadas no puerpério, o mais precocemente possível.

  • A vacinação com dTpa deve ser repetida a cada gestação.
  • Para mulheres que pretendem viajar para países nos quais a poliomielite é endêmica, ou na falta de dTpa, recomendar a vacina dTpa combinada à pólio inativada (dTpa-VIP). Se você está grávida, converse com seu médico sobre isso.
  • Depois disso é realizada ainda nos primeiros meses de vida (2, 4 e 6 meses), com a quarta dose entre 15 e 18 meses e um reforço aos quatro anos.
  • Também é indicado que as pessoas que convivam com o bebê sejam imunizados, o pai, irmãos, avós e babá, caso você tenha uma, já que a doença é transmitida por meio da respiração e da fala. Mesmo quem já recebeu a vacina quando criança deve fazer novamente, pois um reforço é necessário a cada 10 anos, segundo orientação da SBIm.

Gurias, é uma doença perigosa para bebês e idosos, podendo evoluir para quadros graves, como complicações pulmonares, neurológicas, hemorrágicas e desidratação, portanto o melhor é a prevenção.

Para saber mais informações sobre a Coqueluche acesse http://bit.ly/1tpLih0

Beijos, Angi

aviso

Comente pelo Facebook

Leia mais!