15.abr.2016

Disciplina POSITIVA!

Oi gurias, essa fomos numa palestra sobre DISCIPLINA POSITIVA do Keivan Saverin e sai super animada, pois já tinha lido sobre o assunto, mas a palestra me fez refletir vários erros que cometo e que posso tentar melhorar! Sim, sou mãe igualzinha a vocês, não é porque tenho um Blog que sou #diferentona, mas quero trazer alguns pontos para refletirmos juntas, e mudarmos juntas, por quê não?

A Disciplina Positiva é um novo método que propõe educar os bebês e crianças de uma maneira diferente do que vivenciamos na nossa infância. Não que nossos pais e avós estivessem errados, nada disso, é que a medida que o tempo passa muitas coisas evoluem, a educação dos filhos também!

Na disciplina tradicional, a que a maioria de nós foi educada, o foco era punir o comportamento errado. Já na Disciplina Positiva tem uma abordagem mais gentil, o que não quer dizer ser meigo ou fofo com o filho, e sim ver algo de positivo no filho, mesmo ele tendo agido errado. É uma disciplina não punitiva que favorece a autoestima, a independência da criança e o vínculo entre pais e filhos. A nossa missão como pais não é agradar os filhos, mas sim EDUCÁ-LOS! A criança precisa de LIMITES para se sentir protegida e amada!

Sabemos que a teoria é uma coisa e na prática nem sempre conseguimos aplicar alguma “técnica” que queremos. O maior inimigo da disciplina é a perda do AUTOCONTROLE! Mas quando perdemos o controle as crianças aprendem que o mais forte vence o mais fraco. Esse tipo de disciplina por medo dura até a criança se tornar adolescente/adulto e muitas vezes depois não funciona! Quanto maior o nosso descontrole, menor autoridade sobre os filhos. Quando maior o desrespeito, menor o respeito dos filhos. “Toda violência física é o sinal de descontrole dos pais e não da necessidade de correção e disciplina dos filhos”. 

Mas então nossos filhos não precisam de punição? 

Não é bem assim, a punição deve ser proporcional ao ATO e deve levar a criança a REFLETIR! Mas e como vou agir se meu filho fizer algo errado! A Disciplina Positiva defende que a melhor “punição” é que criança/adolescente tenha que arcar com as consequências do erro, e sempre que possível, ele deve aprender a corrigir o erro! Vamos a um exemplo, você combinou com seu filho que tem que voltar das festas até meia noite. Em uma determinada festa ele se perdeu no horário e chegou a 1 da manhã. Então ele ficará sem poder ir nas duas próximas festas, conforme o combinado de vocês, assim ele aprende que seus erros terão consequências, simples assim!

Vou relatar os pontos que achei importante na palestra que assisti sobre Disciplina Positiva:

  1. Faça pedidos antes de dar ordens! Eduque explicando os motivos do NÃO, ao invés de ditar regras ofereça alternativas! Peça por favor, cuide o tom de voz, não grite, mas também não precisa ser muito suave…  Vamos a um exemplo, seu filho está pulando na sua cama nova e você não quer que ele se machuque nem estrague as molas da cama, ao invés de sair gritando para ele sair da cama você pode falar algo como: “Filho, pare de pular na cama, pois se você cair vai se machucar! Vamos brincar na sala (pegue na mão dele) e ofereça outra alternativa!”
  2. Usar ELOGIOS quando for reparar algo errado! O seu filho derrubou o suco no chão da sala. Antes de xingar ele porque sujou o chão que você recém limpou, elogie. Você pode falar algo assim: “Filho, você é sempre tão cuidadoso, não cuidou enquanto tomava suco na sala. Vamos pegar um paninho na cozinha, ajuda a mamãe limpar o que você sujou!” Sei que a vontade é de xingar, pois muitas vezes estamos cansadas de limpar 1000 vezes a sala, mas normalmente eles não fizeram de propósito, muitas vezes eles até se arrependem e já pedem desculpa, então nem precisa punir mais,só pede ajuda para limpar e está tudo bem! Os filhos precisam ver que vemos coisas POSITIVAS NELES!
  3. Dê ordens POSITIVAS! Evite o uso do não nas frases. Imagina que está um sol na rua ao invés de falar: NÃO FIQUE NO SOL, fale FIQUE NA SOMBRA!
  4. Faça a criança fazer e não diga para fazer! Pegue na mão, não fique no sofá pedindo várias vezes em vão, vai lá, pega na mão, ajude a escolher uma roupa, tem momentos que não adianta falar mil vezes, não é mesmo?
  5. Condene o mau comportamento e não a criança! Imagine que está aquela bagunça no quarto do seu filho, fale que você sabe que seu filho é organizado, diga para arrumar o quarto. Não saia falando: COMO VOCÊ É BAGUNCEIRO! Fale algo assim: “Filho, sei que você é um guri organizado. Não sei como seu quarto ficou bagunçado, que tal arrumar agora? ISSO NÃO COMBINA CONTIGO!” Essa frase é ótima quando for condenar um mau comportamento, dizer que NÃO COMBINA COM SEU FILHO AGIR DE TAL MANEIRA!
  6. Não exagere quando for chamar a atenção! Dê aviso prévio antes de dar ordens, faça combinações. Se vocês estão indo no supermercado, combinem que ele poderá escolher um doce, ou que não poderá levar nada, e lembre a combinação se for necessário.
  7. Dê um INCENTIVO junto a ordem! A sala está uma bagunça e você quer ajuda para arrumar, diga para seu filho te ajudar, que assim terá tempo para contar uma história antes de dormir, que se ele ajudar vai dar tempo, mas se tiver que fazer sozinha não dará…

E como agir em ATAQUES HISTÉRICOS?

  1. Identifique um desconforto, como sono, fome, fralda suja… isso pode deixar a criança mal! Se tiver tudo ok…
  2. Distraia e MUDE O FOCO! Chame a atenção dele para outra coisa! Mas se não adiantar…
  3. IGNORE A MANHA! Sei que tem que ter MUUUUITA PACIÊNCIA, mas tenha! Se não ceder, uma hora ele vai entender que não adianta chorar, espernear, gritar, que não é assim que consegue o que quer! Temos que conversar, explicar, conversar, explicar, mil vezes e fazer os filhos entenderem os motivos, as consequências e que os pais estão aqui para educá-los, amá-los e protegê-los!

Na Disciplina Positiva um dos pontos fortes é a EMPATIA, ensinar a criança a se colocar no lugar do outro! Tem quem pense que as crianças não entendem muito quando bebês, mas a partir de 8 a 9 meses já podemos aplicar as técnicas, pois elas estão começando a entender sim!

Ah, mais uma dica que achei muito legal foi que se quiserem que o filho faça terapia, que seja sempre familiar, para que a criança não pense que a culpa é dela, que ela é que tem um “problema”, a família toda tem que refletir e participar da terapia!

Espero que gostem do post e das dicas, gurias!

Beijos

Angi

Comente pelo Facebook

Leia mais!