26.abr.2013

Doenças do Inverno { Seu Pediatra }

O inverno está se aproximando nas regiões ao sul do Brasil. Já falamos sobre a vacina contra a gripe (perdeu a reportagem? Clique no Link) e espero que todos estejam protegidos. Mas além da gripe outra doenças ficam mais frequentes no inverno. Isso porque os vírus e bactérias se espalham mais facilmente em locais fechados e cheios de gente. Veja quais são as principais doenças e como evita-las:

Gripe: É uma doença causada pelo vírus Influenza, transmitida através de gotículas que elimina quem está doente quando tosse ou espirra. Pode se apresentar com febre alta, dor de garganta, tosse, dor de cabeça e no corpo. A melhor maneira de se prevenir é a vacina, e as medidas que indicamos abaixo.

Resfriado: Doença muito diferente da Gripe. Causada por vários tipos e subtipos de vírus (ex: Rinovírus, adenovírus, etc). Atinge principalmente as vias aéreas superiores e pode se apresentar com espirros, obstrução e secreção nasal (no início clara) e pode ou não ter febre. Os refriados não são evitados com nenhum tipo de vacinas ou medicamentes, as medidas de higiene é a principal forma de prevenção.

Complicações!

Outras doenças aumentam porque são complicações das doenças causadas pelos vírus acima. A complicação pode ocorrer pelo próprio vírus ou por alguma bactéria que se aproveita da baixa imunidade e do acumulo de secreções. Como os antibióticos só servem para as infecções bacterianas, somente a avaliação do pediatra indicará se é ou não necessário usar antibiótico. Fique atento se a persistir mais de 72 horas pode ser um sinal de complicação e a criança deve ser reavaliada pelo pediatra. As complicações mais frequentes são:

Otite – A parte interior do ouvido se comunica com o nariz por um canal. Quando acumula secreção no nariz essa secreção também ficará no ouvido, causando inflamação e facilitando o crescimento de bactérias. Pode aparecer como dor de ouvido, febre, diminuição da alimentação.

Sinusite – Os seios paranasais são cavidades cheias de ar situadas na face e que se comunicam com o nariz. Outra vez o acumulo da secreção no nariz faz encher essas cavidades com o liquido, causando desconforto e propiciando a ação da bactéria. Muitas vezes a criança pode até não ter febre, mas apresenta obstrução nasal, dor de cabeça, secreção nasal mais espessa e tosse persistente. É como se o resfriado nunca fosse embora.

Pneumonia – É causada por vírus ou bactérias que se alojam nos pulmões. Os alvéolos (local onde ocorre a troca de oxigênio) ficam ocupados por secreções, dificultando a respiração. Cansaço, febre, tosse são os principais sintomas.Quadro que pode ser grave e necessitar de internação. Exige acompanhamento de perto pelo Pediatra.

Bronquiolite – É causada pelos mesmos vírus do resfriado. Sendo o principal o Vírus Sincicial Respiratório. Acomete principalmente os bebês com menos de 2 anos, e mais frequente nos menores de 6 meses. Começa com um resfriado e depois evolui com chiado, falta de ar, cansaço, respiração rápida e dificuldade para mamar. Outro quadro que exige vigilância médica de perto pois pode se agravar.

Medidas para se Prevenir:

* Evitar lugares fechados e com muitas pessoas. O ideal é que bebês não frequentem creches. As crianças que já estão doentes devem permanecer em casa para evitar que transmitam a doença para os outros colegas.

* Lavar as mãos com mais frequência. Uma das principais formas de contaminação é quando colocamos a mão em algum objeto contaminado e depois coçamos os olhos ou leva a mão na boca. As crianças fazem isso o tempo todo, então mantenha a mãozinha sempre limpa.

* Manter o nariz limpo e bem hidratado. Use o soro fisiológico mesmo antes de apresentar secreção. Isso mantém a mucosa hidratada e evita a contaminação por vírus e bactérias.

* Beber bastante liquido (água e sucos naturais). A hidratação adequada do organismo e das mucosas ajuda a evitar que os vírus invadam o organismo e a eliminá-lo mais rapidamente.

* Comida variada e saudável ajuda a fortalecer o sistema imunológico, tornando-o mais eficiente para expulsar qualquer agressor.

* Manter o ambiente bem ventilado.

* Evitar visitas de pessoas que estejam doentes. Mantenha o bebê em outro ambiente e explique a situação que sua visita entenderá e voltará outro dia.

* Mantenha a vacinação sempre em dia.

A principal maneira de evitar todas as complicações é seguir exatamente a recomendação do seu Pediatra, e usar bastante soro fisiológico para remover a secreção nasal e evitar que essa se acumule propiciando as complicações.

Vá ao Pronto-Socorro somente se for realmente necessário. Tente antes ligar para seu Pediatra e pedir uma consulta de urgência. Os hospitais ficam cheios essa época do ano, com horas de espera e muitos outros micro-organismos diferentes, correndo o risco de outras infecções. Em alguns hospitais não são Pediatras que atendem as crianças. Além disso você não conhecerá o médico que atende seu filho, e provavelmente não será o mesmo médico que voltará a examinar seu filho para reavaliá-lo e ver se ele está melhorando. É difícil criar uma relação de confiança em tão pouco tempo.

Proteja-se e cuide dos pequenos!

Comente pelo Facebook

Leia mais!