21.jun.2016

O que é ESCARLATINA?

Oi gurias, tudo bem? Na semana passada compartilhei com vocês que Antônio estava com dor de garganta, lembram? Até falei como ficamos angustiadas mesmo com uma dor de garganta, mas que para mãe, nunca será apenas uma dor de garganta… e não era mesmo. Antônio estava com ESCARLATINA, graças a Deus já está bom, mas conforme pedidos a Dra Fernanda do Blog Seu Pediatra está aqui mais uma vez para nos ajudar! 

Gurias, a Dra. Fernanda Freire é pediatra em São Paulo, e como sei o quanto é difícil encontrar uma pediatra de confiança, fica a dica para as mães de São Paulo, se vocês quiserem ver mais informações sobre o consultório, acesse AQUI!

O que é Escarlatina? Qual é a causa da escarlatina?

A escarlatina é uma doença infecciosa causada pela bactéria Estreptococo beta hemolítico do Grupo A, também chamada de Streptococcus pyogenes. Falando assim, com nome e sobrenome até assusta mesmo. Mas é a mesma bactéria que causa as amigdalites, o impetigo (que já falamos aqui), erisipela e outras doenças. A diferença é que a escarlatina é uma reação do organismo à toxina que a bactéria produz, como uma espécie de “alergia”. Essas toxinas vão provocar os sintomas da escarlatina.

E quais os sintomas da escarlatina?

A escarlatina vai começar com febre, mal-estar, dor de garganta, às vezes, a criança pode ter vômitos, dor de barriga e ficar prostrado (“caidinho”). Por volta do 2o dia aparece a erupção na pele, manchas vermelhas, a pele fica com um toque mais áspero, e em alguns dias pode descamar. Também podem aparecer alterações na língua, ficando mais branca no início e depois vermelha e com as papilas aumentadas (“língua em framboesa”).

A escarlatina ocorre mais frequentemente entre 5 e 15 anos. Os adultos, normalmente, já desenvolveram anticorpos contra a toxina, e por isso é difícil ver adulto com escarlatina.

escarlatina

escarlatina_ingua

Fotos DAQUI!

A escarlatina pega? Como é transmitida?

A bactéria é transmitida de uma pessoa para a outra através das secreções respiratórias. Tosse, espirros, contato com a saliva, compartilhar colher, copo, ou mesmo quando falamos que eliminamos gotículas de saliva que ninguém vê, pode transmitir a bactéria. Mas nem todo mundo que pegar a bactéria vai ter escarlatina. É comum, na mesma casa, um irmão ter escarlatina, e o outro ter só a amigdalite (infecção de garganta), isso porque a escarlatina depende da reação do organismo de cada um.

Quanto tempo depois de ter contato com a pessoa infectada podem aparecer os sintomas?

Uma das perguntas que a Angi me fez foi quando ela poderia ficar tranquila. Os sintomas aparecem, normalmente, entre 2 e 4 dias após ter contato com a bactéria. Pode variar até uns 7 dias. Se já passou esse tempo, seu filho já foi tratado, você pode ficar tranquila.

Como é feito o diagnóstico de escarlatina?

A pediatra fará o diagnóstico através do quadro clínico. Se for necessário e tiver disponível, podemos pedir um exame da garganta, para confirmar a presença da bactéria. É um exame simples, que passa uma espécie de cotonete na garganta para pesquisar a bactéria ali.

Qual o tratamento da escarlatina?

Como é uma bactéria o tratamento é feito com antibiótico. Tem a opção de fazer tratamento com a penicilina através de injeção ou tomar o antibiótico. Para evitar as complicações, o tratamento deve ser feito corretamente, por isso muitas vezes é preferível tomar injeção para não correr o risco de esquecer as doses ou fazer o tratamento incompleto. Mas essa escolha depende do seu médico e de você, converse bem com ele para que vocês possam decidir juntos.

Quais as complicações da escarlatina e por que é importante o tratamento adequado?

A escarlatina é uma doença benigna se for tratada adequadamente. Tem tratamento fácil e responde bem ao tratamento. As complicações são raras, atualmente. Podem acontecer por disseminação da infecção, como abscesso na garganta, infecção nos ouvidos, nos pulmões e até meningite. Lembrando que é raro, e se você faz o tratamento e acompanhamento correto, fique tranquila.

Outras complicações que podem acontecer, e também são raras, são as complicações tardias, que acontecem tempos depois da cura da doença e são a febre reumática e a glomerulonefrite (inflamação no rim), que já falamos no post de impetigo também.

Espero ter esclarecido o assunto, qualquer dúvida passa aqui pra conversar.

Beijos,

Dra. Fernanda Freire —>  www.seupediatra.com 

Comente pelo Facebook

Leia mais!