24.out.2017

Entre 2 a 3 anos de idade o desenvolvimento da FALA está a TODO VAPOR!!

Você vai concordar comigo que NÃO há nada melhor no mundo do que ver os filhos crescerem e se desenvolverem…. e quando começam a interagir intensamente conosco?!?! É muito amor envolvido…. Parece que não queremos nunca que eles cresçam… (minha filha falava errado eu achava muito bonitinho…. era demais! – mas também não pude deixa-la seguir com a fala infantilizada….).

Abaixo será apresentado alguns aspectos “esperados” da FALA dos pequenos que estão na faixa etária entre 2 a 3 anos. É claro que cada criança é única, tem seu tempo, mas a ciência está aí para nos respaldar e dar orientações. Devemos usufruir de todo conhecimento das pesquisas sobre desenvolvimento infantil para o bem estar dos filhos. Lembre-se que, se a sua criança AINDA não faz algumas dos aspectos listados abaixo, você pode ensiná-la. No entanto, se a aprendizagem não ocorrer, procure um profissional capacitado. Nas questões de desenvolvimento de fala, um profissional da fonoaudiologia poderá te ajudar. Ah! Não se esqueça de realizar uma audiometria também!! Não custa nada saber se está tudo certo com nossos rebentos!!

jared-sluyter-342881

Photo by Jared Sluyter on Unsplash

Observe se a criança:

1)      Combina palavras (“minha bola”, “vestido vermelho”, em respostas as perguntas);

2)      Combina substantivo e verbo (“papai come”, quando perguntada);

3)      Usa uma palavra para indicar que quer ir ao banheiro;

4)      Combina verbo ou substantivo com “lá” ou “aqui” (“cadeira aqui”);

5)      Combina duas palavras para expressar posse (“livro meu”)

6)      Emprega “não” na fala;

7)      Responde à pergunta “O que (fulano) está fazendo?” para atividades habituais (comer, brincar);

8)      Responde a perguntas do tipo: “Onde?”

9)      Nomeia sons ambientais familiares (som do carro, telefone);

10)      Dá mais de um objeto quando se solicita no plural (“Me dá as colheres”);

11)      Ao falar, refere-se a si próprio pelo nome;

12)      Aponta para figuras de objetos comuns descritos pelo uso, até dez objetos (vassoura, escova de dentes);

13)      Mostra a idade pelos dedos;

14)  Diz se é menino ou menina, quando perguntado;

15)  Obedece a sequencia de duas ordens relacionadas;

16)  Usa a forma do verbo no gerúndio (correndo, comendo);

17)  Emprega formas regulares do plural (livro/livros);

18)  Emprega algumas formas irregulares de verbos no passado de forma sistemática (foi, fez, era);

19)  Faz perguntas do tipo: “O que é isto/isso?”;

20)  Controla o volume da voz em 90% das vezes;

21)  Usa “este/esta” (“esse/essa”) e “aquele/aquela” na fala;

22)  Emprega “é” e “está” em frases simples (“isto é uma bola”/”a bola está aqui”);

23)  Diz “eu”, “mim”, “meu” ao invés do próprio nome;

24)  Aponta para o objeto que “não é…” (“não é uma bola”);

25)  Responde à pergunta “quem?” dando um nome;

26)  Emprega a forma possessiva dos substantivos (do papai);

27)  Usa artigos ao falar: o, a, os, as um, uma, uns, umas;

28)  Usa alguns substantivos que indicam grupo ou categoria (brinquedo, animal, comida);

29)      Usa os verbos “ser”, “estar” e “ter” no presente, cometendo poucos erros;

30)      Diz se os objetos estão “abertos” ou “fechados”.

 Mamães, esse é um post informativo, baseado em publicação de extrema importância no Brasil sobre desenvolvimento infantil.

Até o próximo post

Ana Paranzini é Psicóloga (CRP 08/09142), com Mestrado em Psicologia Clínica (PUCCAMP) e especialista em Orientação de Pais. Idealizadora do Programa on line ADEUS BIRRAS e do Programa on line de ORIENTAÇÃO DE PAIS – Quando eu mudo… meu filho se transforma, que já ajudou e está ajudando muitas famílias a educarem seus filhos de maneira efetiva e prazerosa.

Fonte: O Inventário Portage Operacionalizado: Intervenção com Famílias. Lúcia C. A. Williams e Ana Lúcia R. Aiello. Editora Memnon, 2001.

Comente pelo Facebook

Leia mais!