17.maio.2012

Escolinha ou babá, eis a questão

Como vocês sabem eu sou mãe em tempo integral, adoro o que faço, sempre quis isso para mim. Claro que nos meus sonhos de ser mãe em tempo integral não imaginava que seria assim como é. É muito cansativo, não tenho 1 minuto para mim, só quando Antônio dorme, mas nessa hora eu arrumo a casa, lavo as roupas, estendo, guardo, escrevo aqui no blog, e no meu novo projeto o Roteiro Baby Porto Alegre, e esse 1 minutinho só meu … nunca chega.
Além do que Antônio está chegando numa idade que me dá um pouco de ” medo ” que são os 2 aninhos, e o famoso “terrible two” já está dando fortes sinais de que chegou para ficar. Tudo tem sido muito mais difícil, um simples NÃO quando ele está fazendo algo que realmente não dá, pois não gosto de falar não toda hora, e é gritos, cena de se jogar no chão, enfim, estou preocupada que a vizinha chame o conselho tutelar, porque ele tem feito cenas dignas de oscar, se joga, grita, chora sem lágrima, uma maravilha!
Vocês sabem como é …filho cada vez exige mais atenção, e cada vez eu acho mais difícil de fazer com que o tempo que fico com ele, o dia inteiro, seja produtivo.
Gosto que ele brinque na areia, na terra, que se suje, que brinque de tinta, de giz de cera, canetinhas, mas em casa alugada á ainda pior, pois num piscar de olhos ele riscou a parede com lápis de cor.
Sem contar quando vou cozinhar ele quer colo, quer atenção, quer companhia para assistir um desenho, eu não consigo fazer nada direito, nem o almoço, nem arrumar a casa, nem cuidar do guri, tenho uma sensação de que sou a própria mãe de m….., que não faz nada direito, e ainda quando o marido chega em casa, ou só reclama, ou está cansada demais para reclamar…
Então que eu tive a brilhante ideia de ter a ajuda de alguém por umas 4 ou 5 horas, só que não sei o que é melhor, se escolinha ou babá!
Eu já liguei para várias escolinhas daqui, e a maioria não tem vaga para esse ano, só lista de espera para o ano que vem. E o ano que vem eu não sei exatamente onde estaremos então não adianta muito, sem contar que falta muito para o ano que vem.
Até que achei uma escolinha que parece ser ótima, mas começou a me dar medo, e se ele cair , e se baterem nele, e se ele sentir saudades, e se eu sentir saudades?
Então eu pensei que uma babá de confiança seria legal, que eu ficaria em casa, trabalhando, dando um jeito nas coisas e de olho na babá. Só que uma babá de confiança em uma cidade nova é coisa rara, e claro que depois eu pensei que provavelmente não vai adiantar,eu trabalho em casa e ele não vai querer passar todo o tempo com a babá, e vou acabar pagando para ter pouco tempo produtivo para o meu trabalho, e para o desenvolvimento dele também, porque na creche tem pessoas especializadas,e outras crianças para ele aprender junto.
Ontem o marido queria ir na escolinha para conhecermos melhor e vermos se tem vaga, mas eu fiquei com medo. Ele (marido) nem sabe disso, eu inventei uma desculpa e não fomos…
Acho que ao invés de escolinha ou babá eu preciso de uma terapeuta, como é difícil decidir algo para a pessoa mais importante das nossas vidas, né?
Ah, eu queria uma das vovós morando bem pertinho daqui, e que elas fossem como as avós de antigamente, boas cozinheiras, e que cuidassem do guri um turno para eu conseguir fazer minhas coisas. Mas hoje em dia as avós trabalham, comem fora e só gostam de curtir os netos nas horas boas…rs
Vocês já tiveram essas dúvidas, entre escolinha e babá?
O que decidiram, e por que, ajudem aí…

Comente pelo Facebook

Leia mais!