25.jan.2017

Eu não sou mãe em tempo integral – SOU MÃE!

Oi gurias, hoje quero refletir sobre um termo que é muito usado pelas mães, o termo MÃE EM TEMPO INTEGRAL. Eu sei, eu mesma já me descrevi como sendo mãe em tempo integral, mas cá entre nós, alguma mãe deixa de ser mãe porque vai trabalhar? NÃO, né? Deixamos de ser profissionais quando estamos em casa? Também não, né? Deixamos de ser esposas quando não estamos com o marido? JAMAIS! Deixamos de ser amigas porque moramos longe? Nãoooo! Então por que deixaríamos de ser mãe em tempo integral porque não estamos todo o tempo com os filhos?

As mães que ficam em casa não fazem mais nada a não ser ficar em casa? Claro que fazem, elas tem muitas funções além de serem “apenas” mães, aliás sempre falo que ser mãe é fácil, difícil é dar conta da casa, do marido, de si e dos filhos… E muitas mães que abrem mão da sua profissão acabam optando por empreender e trabalhar em casa, já que é uma maneira de trabalhar perto dos filhos. Mas aí sim que o bicho pega, gurias, se cuidar dos filhos, da casa, marido, de si já é difícil, imagina de uma empresa? Não é fácil, mas é a melhor opção para muitas mães que querem ter tempo para os filhos, mas também querem e precisam trabalhar e ter uma renda. #MinhaVida

As mães que trabalham fora não fazem mais nada? Claro que fazem, muitas vezes chegam em casa e encaram mais um turno cuidando da casa, filhos, marido e de si. Algumas escolheram continuar trabalhando por necessidade, mas muitas porque querem, porque amam seus trabalhos!

A verdade é que todas as mães são mães em tempo integral, ninguém deixa de ser mãe em tempo integral porque está trabalhando e ninguém deixa de ser profissional quando está em casa, nenhuma mãe deixa de se preocupar com os filhos enquanto está trabalhando, todas as mães amam e cuidam em tempo integral, ainda que à distância! Somos um emaranhado de funções e em nenhum momento deixamos de ser algo para sermos outro, nós só vamos adquirindo funções …

Quando nos tornamos mães tudo muda dentro de nós, muitas vezes não nos vemos mais fazendo o que estávamos acostumadas a fazer e muitas vezes ficamos um bom tempo refletindo sobre o que queremos fazer profissionalmente. Algumas mães sabem que querem se dedicar aos filhos, abrir mão do trabalho e estar à disposição das crianças em casa. Outras mães querem voltar a sua rotina profissional e os filhos vão para a escola, ficam com as avós, babás, enfim, elas escolhem a melhor alternativa possível para que possam voltar a vida profissional também.

Eu admiro todas as mães, porque mesmo fazendo SUAS ESCOLHAS, todas são difíceis e temos que lidar com as CONSEQUÊNCIAS! Muitas vezes eu preciso trabalhar enquanto o Santi dorme e os guris assistem desenho, talvez seria mais fácil trabalhar num escritório e não ter que ver a carinha deles me chamando para estar com eles, mas ao mesmo tempo, quantas vezes eles ficam doentes e eu posso cuidar deles em casa, e consigo trabalhar a noite enquanto eles dormem, se tivesse um trabalho formal não poderia cuidar deles. Tudo na vida tem o lado bom e ruim!

As mães estão sobrecarregadas demais. Isso não é privilégio de quem trabalha em casa, nem de quem trabalha fora. A mãe que é dona de casa não significa que tem a vida ganha, significa que escolheu estar em casa cuidando dos filhos, e com certeza vai abrir mão de muitas coisas, pois a renda familiar tende a ser menor, já que só um trabalha. A mãe que trabalha fora muitas vezes trabalha para pagar as contas da casa, mas conheço muitas que não precisariam financeiramente, mas querem trabalhar, amam o que fazem e querem continuar fazendo, como o pai faz… e que bom para ela!

Quando eu era pequena a minha mãe trabalhava o dia todo fora, turno de 8  horas. Eu lembro de ficar chorando na porta sempre que ela saía. Nós ficávamos em casa com a Noêmia, ela cuidava de nós com muito amor, mas não era nossa mãe. Foi assim que cresci querendo muito ficar em casa com meus filhos, quando os tivesse e assim tem sido. Na maior parte do tempo EU AMOOOO estar em casa, poder levar na escola, buscar, levar no judô, na pracinha, na sorveteria… mas tem dias que sinto muuuita falta de ter colegas de trabalho, um tempo para mim e até de me sentir útil. Mas a vida é assim, é feita de escolhas e consequências,  muitas vezes vamos achar que aquilo que não temos é o mais legal, não é mesmo? Mas eu escolhi SER FELIZ COM MINHAS ESCOLHAS e SE QUISER MUDAR UM DIA, ME PERMITO!

Há julgamento em toda parte, desde o tipo de parto, amamentação, sono do bebê, alimentação, educação e as pessoas estão cada dia mais intolerantes e julgadoras. Que tal ajudar mais e julgar menos?

Alguém já ouviu falar em pai em tempo integral? Pai que trabalha fora? Pai solteiro? Eu não! Repitam comigo, SOMOS TODAS MÃES, não mães que ficam em casa, mães que trabalham fora, somos mães!!

E peço desculpas para as mães que já se sentiram ofendidas em algum post quando me referi ao termo mãe em tempo integral, somos todas mães, estamos no mesmo barco!

Beijos

Angi

 

Comente pelo Facebook

Leia mais!