10.jan.2017

A importância do cálculo da Idade Gestacional

Oi gurias, hoje tem mais um post da Doula Janine. Para as mães de Porto Alegre e região que querem uma doula, super indico a Janine, manem email para: [email protected] O post de hoje é sobre a Importância do cálculo da Idade Gestacional!  

” O conhecimento sobre a Idade Gestacional (IG) é importante para nos darmos conta de quanto a gestação já transcorreu, para orientar a gestante e os profissionais que assistem esta gravidez e sobre a data ideal de solicitação de exames necessários para cada época.

O cálculo mais conhecido é baseado pela data da última menstruação (DUM). Porém, em mulheres de ciclos irregulares e que, possam permanecer com pequenos sangramentos mesmo já estando gestando, a IG deve ser sempre confirmada com a realização da ultrassonografia.

A primeira ultrassonografia (USG) é muito importante na ajuda à previsão da DPP (data provável do parto), pois confirma a data prevista pela DUM ou orienta as gestantes que não possuem um ciclo regular ou que tiveram uma ovulação tardia.

Quanto mais precoce for realizada essa ultrassonografia (até no máximo 12 semanas), maiores as chances de acerto da data, pois a evolução inicial do óvulo fecundado, e multiplicação celular deste possuem características particulares de evolução. Por isso, as datas estimadas para o parto tendem a se modificar nas ultrassonografias posteriores levando em conta se o bebê está com o crescimento acima ou abaixo da linha de crescimento.

Mas atenção, cada feto desenvolve-se de maneira diferente conforme as suas heranças genéticas e, cada USG pode alterar a contagem da DPP.

E sobre a fase lunar?

Muitas gestantes escutam e se interessam em saber em que fase lunar provavelmente o seu bebê irá nascer. Essa forma de contagem não possui comprovação científica, mas é muito interessante, curioso e simples: A gestação compreende 10 fases lunares, portanto descubra em que fase lunar ocorreu a última menstruação e conte mais 9 fases lunares iguais levando-se em conta que cada fase lunar dura em média 7 dias.

CURIOSIDADE: Acredita-se também, que nascem mais bebês durante a “virada” da lua ou na lua cheia por conta do aumento da força gravitacional que ela exerce sobre o planeta e consequentemente sobre as gestantes.

Altura do Fundo do Útero (AFU): Antes das ultrassonografias, esse era um método muito utilizado para orientar profissionais e gestantes sobre a provável idade gestacional. O obstetra, enfermeiro obstétrico ou obstetriz, faz o uso de uma fita métrica para medir a altura do fundo uterino partindo da sínfise púbica.

Geralmente após as 12 semanas o útero já pode ser palpável, logo acima do osso da púbis. Com 16 semanas, o fundo uterino será palpável na metade do caminho entre o púbis e o umbigo. Com 20 semanas o útero será palpado na altura do umbigo e assim sucessivamente.

Vale ressaltar que o útero atinge a altura máxima com 36 semanas e que após esse período a conformação da barriga se altera tendendo a se mostrar mais “baixa”. Como mostra a figura:

altura-utero

Muitas pessoas querem saber os meses de gravidez e não as semanas, não é mesmo? Mas contar a gestação em meses pode ser um complicador para a gestante, pois o nosso calendário não possui o mesmo número de dias nos meses e, muitas pessoas costumam calcular que um mês possui em média 4 semanas. A ansiedade pelo pelo dia do parto , tende a superestimar o mês da gestação, esquecendo-se muitas vezes que nesta forma de contagem, a previsão do parto é da metade para o final do 9° mês de gestação e não no início.

Então para facilitar podemos contar da seguinte forma:

2 a 6 semanas = 1 mês

7 a 10 semanas = 2 meses

11 a 14 semanas = 3 meses

15 a 18 semanas = 4 meses

19 a 23 semanas = 5 meses

24 a 28 semanas= 6 meses

29 a 33 semanas= 7 meses

34 a 37 semanas= 8 meses

38 a 42 semanas= 9 meses

Lembrando que, a DPP é uma data estimada e, deve ser usada apenas como referência. Por isso a importância de esperar com paciência, tranquilidade e cautela que o trabalho de parto ocorra de preferência de forma espontânea e assistida.

*Adaptação do texto de Júlia Falcão – doula, enfermeira e educadora perinatal. Postado em 11 de janeiro de 2015 no blog: http://juliadoula.blogspot.com.br/

Beijos

Janine

doula_janine

Enfermeira pela UNISINOS em 2002, especialista em Terapia Intensiva e Cardiologia, descobriu sua verdadeira vocação após o nascimento de seus dois filhos, ambos de parto normal. Apaixonada pelo universo materno infantil decidiu aliar seu conhecimento em enfermagem e abraçar sua nova função, passando a atuar como doula. Presta consultoria sobre aspectos fisiológicos da gestação, parto e pós parto com base em evidências científicas, além de utilizar técnicas de massagem Ayurveda relaxante para gestantes e puérperas e Shantala para bebês.

Comente pelo Facebook

Leia mais!