15.out.2014

A importância do primeiro ano de vida do bebê!

O primeiro ano de vida é de extrema importância na vida de todas as crianças. Muitas pessoas não percebem a sua relevância por acreditarem que, por a criança ser tão pequena, “não lembrará” das experiências vividas nessa fase da vida. Porém, o que ocorre é o oposto, pois na verdade é a fase que deixa mais marcas na história de cada um.

O primeiro ano de vida é um período de intensa aprendizagem na vida da criança: quase tudo para ela é “novidade”. Além disso, seu corpo e seu cérebro estão em constante crescimento e desenvolvimento. O primeiro ano tem a sua particular importância por ser o grande responsável pelas primeiras experiências vividas pela criança. A partir das vivências nesse período, a criança começará a desenhar seu futuro comportamento. Devido a isso, estímulos, vivências positivas, cuidado, responsabilidades e afeto serão pontos importantes na vida do bebê.

Nos primeiros meses de vida, a criança ainda não tem capacidade cognitiva para reconhecer e saber o que se passa a sua volta. Cabe ao adulto responsável por seu cuidado ajudá-la a se integrar a esse novo mundo ao qual ela agora está inserida, desenvolvendo aos poucos sua personalidade. O primeiro sinal que a criança dá de uma rudimentar estruturação de seu psiquismo é a reação ao sorriso. Quando a ela apresenta essa conquista, isso pode ser visto como um indicador de que há uma integração, um início de uma individualidade da criança, que começa a perceber o meio a sua volta, começando a esboçar uma relação social com o meio, que inicialmente é praticamente formado pela mãe e familiares mais próximos.

Já na segunda metade do primeiro ano vida, por volta do oitavo mês, a criança já adquire maior capacidade de maturação do seu cérebro. Sua memória já está um pouco mais estruturada, o que ajuda-a a reconhecer um estranho, relacionando isso à ausência da mãe. Nessa fase a criança se mostra visivelmente incomodada frente a estranhos. Dessa forma, a reação ao estranho, ou ansiedade de separação da mãe, que muitas vezes pode ser vista como algo ruim, na verdade muitas vezes é um indicador de que a criança está desenvolvendo seu psiquismo de forma adequada, pois assim como diferencia os “estranhos” de sua mãe (ou quem exerce essa função na vida dela), também começa a integrar o seu próprio eu.

Na segunda fase do primeiro ano de vida a criança começa a interagir muito mais como o meio. Após uma experiência de cuidados e afetos positivos, a criança mostra-se muito mais segura para explorar o meio. O engatinhar é uma conquista que praticamente transforma sua vida, pois passar a se locomover sozinha a capacita a explorar e fazer descobertas que antes não aconteciam. Dessa forma, mesmo antes de caminhar, ela já passa a estabelecer outra relação com as pessoas a sua volta.

Com o seu desenvolvimento físico e maior integração com o meio a sua volta, a criança passa a ter maior capacidade de ter novas experiências e realizar novas descobertas. Com isso, ela também passa a ouvir muitos “nãos” dos adultos. Então, o “clássico” não que a criança ouve é outro ponto importante do seu desenvolvimento, indicando que ela está vivendo novas experiências, além de também estar vivenciando o limite, que a organiza e ajuda a saber o que ela pode ou não pode fazer.

Esses três organizadores são muito amplos e de uma certa forma generalizam o desenvolvimento das crianças, porém também ajudam a ter uma ideia das importantes mudanças na vida do bebê. Existem muitas outras mudanças e descobertas, esses pontos foram escolhidos apenas por abordarem três marcos importantes do desenvolvimento, que podem auxiliar os pais a compreenderem melhor o que se passa na vida dos pequenos nessa fase tão importante de suas vidas. Além disso, esses pontos não estão considerando possíveis doenças que devem ser vistas individualmente.

Assim como esses pontos do desenvolvimento são importantes, o cuidado e afeto recebidos pela criança são mais ainda. Eles inclusive vão contribuir para o melhor aproveitamento possível das conquistas no crescimento da criança. Da mesma forma, quando existirem situações traumáticas ou difíceis para a criança, elas também deixarão suas marcas que podem ecoar posteriormente na vida do bebê.

Manoela Yustas Mallmann (51) 9559-2905
Psicóloga Clínica
CRP: 07/20863

Especialista em Psicoterapia da Infância e Adolescência em formação Email: [email protected], pergunte sobre o desconto para leitoras do Blog.

Comente pelo Facebook

Leia mais!