30.ago.2011

Mãe sem frescura?

Impressionante, como ao passar dos meses vamos ficando cada vez mais tranquilas, e com menos neuras, né?Me lembro das horas esterilizando tudo, chupeta, mamadeira, brinquedinhos que iam a boca, colher, pratinho. E ai de quem me dissesse o contrário “que são anticorpos, que não tinha problema, ou que só passar uma água já estava bom”. Pitacos sempre me incomodavam muito, porque afinal de contas, o filho é meu, e se eu quiser esterilizar a chupeta cada vez que cair no chão,eu faço! E anticorpos num bebê de meses, não,né?
Claro, que alguns bons hábitos de higiene, não abro mão mesmo. Tais hábitos como por exemplo, chegar em casa tomar um banho, trocar de roupa, e passar álcool gel, isso tem que fazer,né? Brincadeira, mas claro, lavar a mão quando chega em casa, isso é básico, em qualquer idade do bebê.
Será que todos esses cuidados são mesmo necessários? Será que a nossa casa, e os ambientes pelos quais circulamos são tão contaminados?
Segundo o infectologista Paulo Olzon, a resposta é sim e não, “estamos cercados por micro-organismos, e muits usam nosso corpo como habitat”, a maioria é inofensiva, e alguns até ajudam o corpo a produzir vitaminas.Como por exemplo,  a vitamina K, responsável pela coagulação sanguínea, é sintetizada por bactérias no intestino!
Lendo uma matéria na Revista Claudia Bebê, fiquei chooocada, em adultos, esses hóspedes todos juntos e misturados chegariam a formar uma massa de 2 a 3 quilos de micróbios( entre vírus,bactérias, fungos…) alojados na pele, nariz, garganta, e aparelho digestivo. Parece horrível, não? Mas esse aglomerado funciona como proteção do nosso organismo. Por isso, os especialistas são contra exageros, como impedir nossos filhos de entrarem em contato com o mundo exterior. O ideal, é gradualmente, e é bem assim que acontece mesmo, pois nós mães vamos ficando mais sem frescuras, e quando vemos nossos filhos se esbaldam na lama, grama, ou tanque de areia. Essa exposição é necessária para o desenvolvimento e fortalecimento do sistema imunológico.
Mas fatalmente,um desses bichinhos fará com que corremos para o pediatra, pode ser por uma infecção na pele, uma diarreia, problemas respiratórios, etc.
A existência dessa gangue do mal é fato, então quanto menor for o nosso filho, mais cuidado devemos ter.
Até os 8 meses, recomenda-se lavar as mãos antes de pegar a criança, e de manusear qualquer alimento ou objeto que será oferecido ao bebê. E na hora de trocar as fraldinhas também, pois as bactérias podem ser levadas por meio das mãos à boca do pequeno. O álcool gel é super usado por aqui, tenho na bolsa do Antônio, levo sempre comigo, supermercado, shopping.
Até o primeiro mês, o ideal é que os adultos ao chegarem em casa troquem de roupa e lavem a mão antes de tocar no baby, mas isso é impossível,né? As visitas se ofendem só de lavar a mão, já pensou: ” Ah, por favor, a senhora poderia trocar de roupa antes de tocar no pequeno?”
A partir dos 8 meses, quando o bebê começa a engatinhar, ficar mais no chão, tudo fica mais simples, é inevitável o contato com o chão e micro-organismos, com as vacinas e a imunidade naturalmente conferida pelo tempo, basta ter cuidados rotineiros de higiene, como lavar os brinquedos, chupetas, 3 vezes por dia, com detergente e água corrente. Repetindo os cuidados, caso caiam no chão.
E claro, manter o chão limpo, passar aspirados nos carpetes, pano úmido no piso frio, e cuidar para não circular pela casa com sapatos que vieram da rua.Os controles remotos, e telefone devem ter cuidados extras, já que são colocados na boca frequentemente, e carregam muito micróbios, então a solução seria revesti-lo com papel filme.
Em qualquer idade, devemos semanalmente aspirar o colchão, e travesseiro do nosso filho, e colocá-lo ao sol, manter a casa ventilada, e objetos secos, já que a maioria dos germes gosta de ambientes úmidos, e abafados, e não sobrevivem muito tempo fora deles. Por isso, ao ficarem ao ar livre e no sol, os tanques de areia geralmente são higienicamente seguros, segundo o Olzon.
Outra recomendação é cuidar ao preparar os alimentos, e já falamos AQUI.
E sobre beijar a criança na boca, ou compartilhar talheres, ou mesmo quando a chupeta cair, nem pense em colocar na sua boa para limpar, pois muitos micróbios são transmitidos pela saliva.
Eu mudei muito, não vivo nas neuras de esterilizar a toda hora, mas confesso que ainda esterilizo a mamadeira, bico de vez em quando, uma vez por dia, mas na maioria das vezes só lavo com água e detergente mesmo. E não fico falando, para as mães que esterilizam que não precisa, ou que é anticorpos também, temos que agir conforme nossos princípios, e o que a pediatra nos recomenda!
Vamos abrir as janelas, mesmo com frio, para ventilar a casa!
E vocês, se perceberam mais sem frescuras ao passar dos meses?
Tem tomado os cuidados para manter esses bichinhos longe de casa, e dos seus filhos?
BOM DIA!!!

Comente pelo Facebook

Leia mais!