9.jul.2015

Meu bebê está com a cabecinha torta, o que é isso?

O nome é complicado: Plagiocefalia. Mas é uma condição frequente e que exige atenção. Hoje a Dra Fernanda do seupediatra.com vem nos ajudar a entender melhor o que é isso!

O que é a plagiocefalia posicional?

A plagiocefalia posicional é uma alteração no formato da cabeça, uma deformidade ou assimetria do crânio causada por um pressão mecânica em um parte da cabeça. Ela pode acontecer por causa do posicionamento do bebê no útero, por um parto mais complicado ou na gravidez de gêmeos. Depois do nascimento acontece porque o bebê fica muito tempo com a cabeça apoiada na mesma posição, seja no berço ou no carrinho. Com a cabeça apoiada sempre no mesmo lugar, ela vai se deformando. Os bebês “bonzinhos”, que choram pouco, acabam sofrendo mais com isso, porque os “chorões” sempre conseguem mais atenção.

Se o bebê tem torcicolo congênito, ele também terá mais risco de desenvolver a plagiocefalia pois ele tem dificuldade de virar a cabeça e dorme sempre com a cabeça do mesmo lado.

Para entender um pouco mais esse assunto é bom você conhecer um pouco mais como é formada a cabeça. Nossa cabeça é formada por vários ossos que se encaixam, as suturas são espaços que ligam um osso ao outro. No bebê esses ossos são mais “molinhos” e as suturas ainda não estão fechadas. Por isso a cabeça do bebê se deforma, mas também recupera o formato normal com mais facilidade. Entre 1 e 2 anos esses espaços vão se fechando, por isso precisa corrigir antes desse tempo.

Como você pode identificar se seu filho está ficando com a cabecinha torta?

Existem diferentes nomes para a assimetria do crânio. O mais conhecido é a plagiocefalia, mas o nome muda conforme o formato da cabeça. A assimetria pode ser do tipo plagiocefalia (achatamento de um dos lados), braquicefalia (a parte de trás que é achatada) ou escafocefalia (a cabeça é alongada e estreita). Você observa o formato olhando o topo da cabeça (de cima para baixo) como na figura. Depois você observa de perfil. Se você notar qualquer alteração ou se tem dúvida e acha que tem alguma coisa estranha, informe seu pediatra.

plagiocefalia

Quais os problemas que isso pode causar?

A complicação mais frequente é a questão estética. Se não corrigir a assimetria, no futuro a criança pode ser alvo de bullying na escola ou ter problemas de autoestima quando adulto.

Mas, além disso, a assimetria da cabeça também pode gerar outros problemas devido ao desalinhamento dos olhos, ouvidos e da mandíbula.

É importante diferenciar a plagiocefalia posicional, que acontece por fatores externos, da cranioestenose, que é o fechamento prematuro das suturas cranianas e que deve ser corrigido cirurgicamente para permitir que o cérebro do bebê cresça e não prejudique o desenvolvimento dele.

Como é feito o diagnóstico da plagiocefalia?

Normalmente pelo exame físico o pediatra já faz o diagnóstico. Ele só pedirá algum exame se ele suspeitar de alguma outra causa como malformação ou que a sutura da cabeça está se fechando antes do tempo normal (cranioestenose).

Como prevenir e corrigir a pagliocefalia posicional?

Se essa alteração no formato da cabeça do bebê for identificada e tratada logo no início, a maioria das vezes não necessita do uso de órteses. Mais de 80% são casos leves e se resolvem com o tratamento postural. Em 2-3 meses já se nota a diferença.

Algumas medidas são eficazes tanto para prevenir como para reverter a pagliocefalia:

1) Não deixe o bebê muito tempo na mesma posição. Use bastante o sling ou canguru que deixam a cabeça do bebê mais livre.

2) A posição recomendada para que o bebê durma é sempre de barriga para cima. Mas nos momentos em que você está com ele aproveite para brincar, estimulá-lo, colocá-lo de bruços. Variar as posições.

3) Após as mamadas, não deite o bebê imediatamente. Aproveite mais o momento para ficar conversando.

4) Abuse do colo. Todo bebê adora um colinho de mãe, pai, avós. Não tenha medo de deixar o bebê “mal acostumado”. Carinho é um ótimo costume.

O pediatra pode encaminhar a um especialista os casos que tem pouca chance de se resolverem com as medidas posturais. Atualmente existem próteses (capacetes) que podem auxiliar o tratamento. Mas são poucas as vezes que isso é necessário.

Por que é importante que o pediatra acompanhe?

O pediatra deve fazer o diagnóstico correto, excluir outras causas mais graves que podem causar a deformação da cabeça e que podem prejudicar o desenvolvimento do cérebro do bebê.

Confirmado o diagnóstico, o pediatra irá fazer o acompanhamento e orientação da família para que com as medidas posturais possa se resolver o caso.

Se o pediatra suspeitar que outras causas podem estar causando essa deformidade da cabeça do bebê ele irá te encaminhar para a avaliação de um neuropediatra ou neurocirurgião. Ficou um pouco mais claro esse assunto? Passa lá na FanPage do SeuPediatra para entender outros assuntos de forma mais simples.

Beijos,

Dra. Fernanda Freire

www.seupediatra.com

Comente pelo Facebook

Leia mais!