8.nov.2011

Meu Parto Normal, ou melhor, Natural!

Como vocês bem sabem, eu adoro compartilhar histórias, dicas, causos, e experiências de amigas aqui no blog. E após o post de ontem, sobre minhas expectativas do parto, e sobre a importância de nos informarmos, hoje eu tenho uma convidada super especial. Ela é a Letícia, mãe do Stefano de 6 meses e nos conta como foi seu parto, e um pouco mais sobre suas expectativas quando estava gravida.
São histórias como essa que nos fazem acreditar que somos capazes de parir como sonhamos, e que mesmo as que se consideram “sensíveis” a dor, quando precisam encontram a força necessária dentro de si mesmas.
O texto é longo, já aviso, mas uma delícia de ler, impossível não terminar com aquela sensação gostosa e lágrimas nos olhos!Obrigada,Letícia por compartilhar conosco esse momento lindo da sua vida!
Vem se emocionar, vocês vão amar!
” Sempre sonhei em ser mãe, idealizava a vida cheia de alegria com um filho nos braços. Sempre pensei que quando engravidasse, queria que tudo corresse conforme os filmes… Bolsa estoura, todos entram em pânico, aquela correria de pegar bolsa de maternidade, chave do carro, em fim, um inicio de parto tumultuado e estressante, mas que ao mesmo tempo parecia tão emocionante. Bem, a realizada não é como na ficção, ainda bem. hehehe
Logo que engravidei, já falava que queria parto normal, não por essa adrenalina a mais, mas sim porque queria que tudo corresse conforme a natureza. Claro, deixei bem claro para meu marido e familiares que em caso de risco para meu filho ou para mim eu faria sim uma cesariana, sem problemas. Ao mesmo tempo em que escolhi ter normal, tinha muito medo, medo de não conseguir, medo de não dar certo, medo de prejudicar meu filho, ter algum problema pós parto, etc… Este medo era porque a minha avó, ao dar a luz a minha mãe acabou falecendo então sempre tive um pouco de medo que isso pudesse ocorrer comigo, mas em fim, eram outros tempos, hoje ha muito mais tecnologia e estudos para salvar as vidas.
Ao conversar com minha médica, informei logo de inicio que eu queria parto normal, ela ficou louca de feliz, porque infelizmente não é mais comum. Mas ela sempre me informou e explicou muitas vezes, que só seria um parto normal/ natural após o nascimento do bebê, pois até o último minuto poderia ser feito uma cirurgia em caso de necessidade.
Vamos falar do que interessa realmente, Meu parto. A data prevista para o nascimento do Stefano, desde o primeiro ultrassom, foi para data de 18.04.2011. como eu engordei 21 kg e estava com uma barriga enorme, muitos “palpiteiros de plantão” diziam que eu não agüentaria até a data e que ele nasceria antes do tempo e que seria muito grande, não podendo ser normal.  Também escutei muito que eu não conseguiria ter normal, porque a dor era muita e eu sou “fresca” para dor (sou mesmo… não suporto depilação a cera hehehehe).
Mas, no dia 18.04.2011, às 06h30min da manhã, como de costume, eu me levantei para ir ao banheiro, fiz meu xixizinho e quando olhei estava meio rosado, achei estranho e chamei meu marido. Como já havíamos sido informados, quando sai essa coloração, é sinal que o tampão se rompeu. Disse para ele que voltaria para cama e que esperaria mais algum sinal. Logo em seguida, por volta das 07h20min, eu senti uma contração, o chamei de novo e pedi para acompanhar os minutos. As contrações iniciaram de 12 em 12 min., depois passou de 10 e 10min até que chegou por volta de 7 em 7min. Ligue para o consultório da minha médica e informei o que estava acontecendo, ela pediu para ir ao consultório para me examinar, isso era mais ou menos 09h30min. Eu estava bem tranqüila, por incrível que pareça.  Meus pais estavam na minha casa, assim, os acordei e fomos todos para o consultório, levei as malas e tudo mais, pois não sabia se voltaria para casa ou não. Fiquei no consultório até as 12h00min quando fui atendida, neste intervalo, as contrações eram cada vez mais pertinho e mais forte. Mas eu caminhava, de um lado para o outro, lia uma revista, tomava muita água, e consegui manter uma serenidade.
A médica examinou, disse que estava tudo ótimo e que ele nasceria ainda naquele dia, mas poderia ser daqui uma hora ou só no fim da noite, tudo dependeria das contrações e dilatações. Disse para ir para casa, almoçar algo bem leve e aguardar. Quando estivesse mais forte, era para ir para maternidade e chamar ela. Ok… segui tudo como recomendado. Voltei para casa, comi uma saladinha com frango e fiquei esperando. Nesta hora, as dores estavam bem mais fortes, não conseguia deitar nem ficar parada, tudo já estava meio incomodo. Às 14h30min pedi para me levar para maternidade, eu já achava que não agüentaria mais de dor. Cheguei lá, fui para o bloco obstétrico e fiquei esperando ser atendida, sozinha, pois não podia entrar acompanhante. Fiz uma ficha, mediram a temperatura, e nada de examinar. Neste dia tinha umas 5 mulheres na minha frente na mesma situação hehehe. E eu ali, com contração e sem saber o que aconteceria. Chegou minha vez, uma enfermeira me chamou e foi fazer o exame de toque, eu estava com apenas 2cm de dilatação e não poderia ser internada, pois para internação somente após 3 ou 4cm. A enfermeira mandou ir para casa e voltar mais tarde quando tivesse mais dilatação… (????) como eu saberia disso???? Pois então, voltei para casa, já meio nervosa, com dor, cansada… mas, fazer o que, ali não poderia ficar. Fui para casa, subi de novo os 02 andares do edifício (que nestas horas pareciam 10 andares) e fiquei, andando de um lado para o outro em casa, me segurando nas paredes a cada contração. Nestas horas, tive enjôo, vômito, e fiquei bem ruim, pois estava cansada, com dor e nervosa, só queria que tudo passasse rápido. Às 18h00min meu marido me convenceu de ir novamente para maternidade, pois eu não queria ir, queria esperar mais um tempo, tinha medo de ter que voltar de novo e andar de carro tendo contrações não é nada bom, dói mais ainda. Mas fui, e disse que dessa vez ele ia ter que nascer hehehehe (há, durante todo esse processo, eu conversava muito com o Stefano na barriga, dizia para ele não ter medo, que nos estávamos esperando por ele, que seria tudo bem tranqüilo… acho que ajudou)
Cheguei novamente à maternidade, fui para o Bloco, e lá fiquei, esperando por atendimento. Estavam trocando o turno (enfermeiras e médicos) ai fiquei esperando mais ainda. Havia somente 2 mulheres aguardando atendimento, um médico de plantão (que estava fazendo cesariana de emergência) e tive que esperar, pois para chamar minha médica, só após saber quanto estava dilatado. Fiquei ali, me contendo nas dores fortes, por cerca de 30 min., para dizer que não fizeram nada, neste meio tempo me colocaram em uma maca para verificar os batimentos cardíacos do bebê. Após isso, voltei para o banquinho “duro” da enfermaria. Entrou um médico para o plantão, ai pensei: Opa, agora vou ser atendida… Quando eu não agüentava mais, chamei a enfermeira e disse que estava com muita dor e que queria ser examinada para poder chamar minha médica. Ela, bem prestativa, pediu para o médico, que acabara de entrar em seu plantão, fazer o exame de toque. O médico, muito “grosso” disse que não faria pois eu era paciente da Drª Karen e que ele não ia examinar. Na hora fiquei com vontade de subir no pescoço dele, mas a dor era grande que eu não teria forças. A enfermeira, respirou fundo e disse que ela examinaria então, e assim fez… eu já estava com 8cm de dilatação. Ela se espantou, ligou correndo para médica e já me acomodou na sala de pré-parto. A enfermeira disse: se tiver com vontade de fazer força, faça, ele vai nascer logo logo. A Drª já esta chegando. (Ufaaa, ainda bem que existe enfermeiras que vestem a camisa, pois há médicos, que não se lembram dos seus juramentos).
Fui internada às 19h30min. Queria saber do meu marido, pois estava me sentindo sozinha, com medo do Stefano nascer e ele não estar junto. Mas quando vi, ele já estava do meu lado, junto com minha médica. Parece que tudo ficou tranquilo. Minha médica me tranqüilizou, disse para eu me concentrar na respiração e foi me acalmando, deixando o momento “zen” mesmo com muita dor hehehehe Ela examinou, disse que ele estava bem encaixado e que tudo seria tranqüilo. Passaram uns minutinhos, ela rompeu a bolsa, e neste momento, as dores foram mais fortes e constantes. E é nessa hora, na hora da contração que tive que fazer força, muita força. Eu imaginava que ali ele ia nascer, mas de repente, chega a enfermeira e diz: Vamos para sala de parto? E eu: como? Ela: Caminhando… ????? ainda bem que era bem pertinho, pois a dor era de mais, e a sensação que o bebê ia nascer naquele momento era de mais.
Cheguei na sala, deitei, e comecei a fazer muita força de novo… a cada contração, força e muita força… ao meu lado estava o meu marido, que me ajudou muito, com palavras de incentivo e motivação, isso é muito importante para nós. A minha médica também, muito calma, passou tranqüilidade e fez tudo ser muito natural. Mas ainda não havia nascido. Quando eu pensei que não agüentaria mais, que estava fraca, a médica disse: Vai lá, mais uma força, daquelas para nascer ele está quase saindo… Esperei a contração e fiz força, como eu nunca imaginava que faria… Foi a ultima força do corpo, me concentrei muito e consegui… Ele Nasceu… Quando escutei o chorinho, a emoção foi de mais, a dor acabou, não senti mais nada, nada, parece que o tempo parou. O Stefano nasceu às 20h36min, pesando 3.340g, medindo 48cm e Apgar 08 e 09. Lindo e cheio de saúde. O Stefano escolheu o dia e a hora de seu nascimento, isso sim é a natureza.
Enquanto a médica retirava a placenta, fazia os pontinhos que foram necessários, o Stefano já veio para meus braços, tão pequenino, com um cheirinho que só ele tem… ele me olhava bem nos olhos, quietinho. Tentei dar o seio, mas ele não pegou.
Levaram ele para o banho e eu fui para sala de recuperação, fiquei lá mais ou menos 2h. Logo ele veio ficar comigo, ai mamou um pouco e adormeceu no meu braço. Fui para o quarto perto das 23h00min, meu marido e meus pais nos esperavam. Foi tudo muito lindo. Eu me sentia muito fraca e estava mesmo. Fiquei com dor nos braços e pernas de tanta força, mas valeu muito a pena.
A recuperação: nem se fala… 1h depois pedi para tomar um banho, fui para o chuveiro, tomei um banho normal, claro, com a enfermeira por perto pois estava muito fraca e com um pouco de tontura. Não sentia nenhuma dor, somente o desconforto dos pontos, mas nada de mais. Passamos a noite muito bem. Saímos do hospital no outro dia, fui para casa, e iniciamos a nossa vida com nosso filho amado. Fiquei 01 semana somente com o desconforto dos pontos, que caíram por si só, acho que somente 01 ou 02 a médica retirou na consulta de revisão. Nada mais, tudo Normal e Natural.
Eu recomendo a todas, que se possível, claro, tenham parto normal. Dói, dói sim… mas vale muito a pena, a dor passa no momento que ele nasce, é colo retirar a dor com uma “luva”. Hoje não sei dizer como é a dor, mas sei que passaria sim por tudo de novo.”

Leti e Stefano segundos após o parto!!

Comente pelo Facebook

Leia mais!