3.ago.2011

O peso da escolha pela carreira ou maternidade…

Quem nunca pensou em um dia largar tudo e se dedicar a ” carreira ” da maternidade?

A mulher vive em um constante questionamento sobre suas escolhas. Hoje em dia, a gente vive na dúvida em investir na carreira profissional, ou dedicar-se a família Há uma desvalorização da mulher que decide cuidar dos filhos e da casa. Essa dúvida entre carreira e maternidade se dá pela cobrança e pressão da sociedade, ou pelos nossos sonhos profissionais.

Vocês sabem, eu sou mãe em tempo integral por opção mesmo. Quando engravidei trabalhava num salão de beleza em Floripa, o Antônio foi totalmente planejado e muito desejado. Não pensávamos em nos mudar, nem pensava em sair do emprego. O Deustino quis assim.O marido teve uma boa proposta de trabalho, eu saí do salão, e me vi realizando o sonho da minha vida.

Sinceramente, eu sempre me imaginava aquela mãe que fica em casa, cuida dos filhos, faz almoço, bolo para lanche da tarde, chocolate quente, e ainda estaria linda quando o marido chegasse em casa, bem comercial de margarina.

Durante muito tempo, tinha para mim, a opinião que vida de mãe que fica em casa seria fácil.Doce ilusão… quando o Antônio nasceu eu percebi que a escolha de ficar em casa, é muito mais complexa do que parece ser, e muito mais intensa do que é.  Se dedicar a casa, ao filho e ao lar é um se entregar eterno.

O dia é longo, mas passa voando. Sempre tem alguma coisa para fazer, muitas vezes não dá tempo de cuidar de nós mesmas, banho é vapt vupt se o guri dorme, faço almoço com o maior carinho do mundo,e canso de comer comida fria mesmo para dar tempo de fazer outra coisa enquanto ele dorme. É ser recreacionista, e inventar brincadeiras para o baby que só quer saber de chão. Faz papa, troca fralda, dá mama, troca a roupa,” ih a fralda vazou, “bora” para o banho. Nossa, já são 18:00 horas, o maridão deve estar chegando. – Alou, amor, o que? vai trabalhar mais um pouco? Tudo bem, eu nem estou cansada mesmo…” Quantas vezes a gente se engana para não reclamar da vida que escolhemos?

Se dedicar a família não é para todas, é abrir mão de ter um tempo a mais para si, é abrir mão do “seu” dinheiro, é ouvir das pessoas que você não faz nada, sendo que o nada é o tudo, na realidade. É assistir desenho ao invés de novela, é saber todas as músicas infantis possíveis, e cantá-las toda hora.

A maioria das mulheres gostaria de ser mãe em tempo integral, algumas não se acharam em nenhuma outra profissão e quando se tornam mãe, percebem que nasceram para aquilo. Outras por necessidade financeira, tem que trabalhar e se sentem culpadas por não poder ficar mais tempo com seu filho. Tem as que são viciadas em trabalho, amam, e não abrem mão mesmo não precisando, e não se sentem culpadas.

A escolha é muito pessoal, e tem que ser respeitada. O que importa é mãe e filho estarem felizes. A receita para que essa escolha dê certo, coragem e força para os dias difíceis que virão, bom humor e jogo de cintura para levar na esportiva as opiniões alheias, sem ser aquela mãe chata e mau humorada, criatividade para que os momentos juntos sejam divertidos e de qualidade,e lógico, amor, muito amor !!

Eu decidi, desde que o Antônio nasceu que essa seria minha profissão. Quero curtir cada dia, cada descoberta, cada novidade, educar, acompanhar o crescimento, brincar, me desenvolver e evoluir junto com meu filho.Mesmo com toda pressão e cobrança, eu estou firme e forte, e vou driblando os obstáculos e tudo se ajeita. Vida simples, vivida em paz…

Beijos, Angi



E você? Qual a sua carreira?E como se mantém firme e forte nessa escolha?