4.jan.2017

O poder da gratidão na vida das crianças

Você ensina gratidão para seu filho?

Essa palavra e esse conceito estão sendo bem disseminados entre o mundo dos adultos. Isso porque a ciência concluiu que “sentir gratidão” é uma emoção essencial ao ser humano que quer se desenvolver emocionalmente e espiritualmente. E a gratidão no mundo dos pequenos? Temos ensinado?

Corriqueiramente vejo crianças e adolescentes exigentes e pais, mães e cuidadores lamentando-se de que os filhos não dão o devido valor ao que tem (e querem mais!) e não conseguem reconhecer o esforço deles para dar subsistência e ofertar sua dedicação. Famílias que se dedicam muito, mas que não têm seus atos reconhecidos pelos filhos. Por que isso acontece? Porque quando as crianças nascem, suas necessidades precisam ser atendidas, por uma questão de sobrevivência. No entanto, ao longo de sua caminhada, a criança precisa ser ensinada a distinguir seus desejos de suas necessidades e a valorizar aquilo que lhe é disponibilizado.

Ser grato, assim como qualquer outra atitude, precisa ser ensinada! Tanto através do exemplo, em que a família agradece pelo que é, pelo que tem, pelos acontecimentos, mas também através de ensinamento direto.

O exercício da gratidão precisa ser diário, mesmo que por coisas pequenas. De início, isso parecerá um pouco mecânico, mas tudo bem! A medida que se torna um hábito, muda o estado interior da criança e a gratidão passa a vir do coração, a ser genuína. No começo as crianças podem ser instruídas a agradecer por coisas simples, como pela chuva que molha as plantinhas, pelo lápis de cor, pela água que se tem para beber, pelos amigos. Com o tempo, a própria criança trará agradecimentos mais elaborados, como pelo telhado de nossa casa que não deixa a chuva nos molhar (como disse minha filha).

Acredito que sentir gratidão têm outros dois impactos positivos na vida das crianças: um deles é mudar a perspectiva de olhar a vida. Procurar por aprendizados mesmo diante de situações difíceis. O ser humano têm uma tendência inata de valorizar muito mais as situações negativas do que as positivas e precisamos mudar essa perspectiva durante a infância. O outro impacto é que sentir-se grato tende a reduzir sobremaneira as reclamações das crianças, principalmente quando elas querem algo que não podem ter. Elas passam a olhar muito mais para aquilo que têm do que para aquilo que não tem.

Sugiro que você inicie o exercício da gratidão com seu filho! Aproveite o início de um novo ano, em que as esperanças são renovadas. Ensine-o a ser grato pelas conquistas de 2016 e comece 2017 com esse novo hábito. Por aqui costumamos fazer esse exercício antes de dormir, após nossas orações. Para agradecer pelo ano de 2016, fizemos um PAINEL DA GRATIDÃO. Lá as crianças (e os adultos também!) escreveram cinco circunstâncias pelas quais fomos gratos (para as crianças menores valem os desenhos).

A gratidão transforma sua realidade! Muda sua vida!! Experimente!

Gratidão por você ler esse post!

Que venha 2017!

Com carinho,

Ana Paranzini

Comente pelo Facebook

Leia mais!