12.mar.2015

Por que amamentar depois dos 6 meses?

Olá mamães, mais uma semana passou, e eu, Fernanda Freire, do Seu Pediatra, estou aqui para tentar esclarecer alguns assuntos. 

Na semana passada quando sugeri para as mães não darem mamadeira na esperança de fazer o bebê dormir, a intenção era só dar uma força para quem quer continuar amamentando, e evitar que essas mães se arrependam depois se o bebê largar o peito.

Não estou aqui para julgar as mães que optaram ou precisaram dar mamadeira, nem os palpiteiros de plantão que fazem da nossa vida um verdadeiro desafio de separar conselhos bons de conselhos ruins. Talvez nossa vida fosse um tédio se não fossem os Palpiteiros.

No meio de muitos comentários, uma leitora muito participava do seupediatra.com me perguntou: “Qual a importância de continuar amamentando após os 6 meses?“. E achei que o assunto merecia um post, outra vez para desmitificar algumas coisas e mudar a visão equivocada que nós mães podemos ter.

A frase já é mais do que batida e toda mãe já decorou: “Aleitamento materno exclusivo e de livre demanda até o 6º mês de vida do bebê”. Talvez por estar tão presente na nossa cabeça, pode dar a falsa sensação de que após os 6 meses o leite materno não é mais importante, e isso não é verdade.

amamentacao 6 meses

Foto google

Qual a função do leite materno após os 6 meses?

Após os 6 meses o leite materno continua sendo o ideal para o bebê, mantém a mesma função: oferecer vitaminas, energia, nutrientes e anticorpos. Ele continua ajudando a prevenir as infecções e fornecendo o que bebê precisa para crescer.

A partir dos 6 meses ele vai começar a sentar, engatinhar, ficar no chão, colocar tudo na boca e comer outros alimentos, e com isso ele fica mais susceptível a pegar infecções. O leite materno dará uma proteção extra, fornecendo os anticorpos.

Fora tudo isso, a amamentação reforça cada vez mais o vínculo da mãe com o filho, e isso te trará frutos para o resto da vida. Amamentar é uma delícia, não é mesmo? Você verá que o dia em que parar, vai sentir falta. Existe uma ligação especial entre mãe e filho no momento da amamentação. O ato de amamentar transmite segurança para a criança, e reforça a autoestima, tanto da mãe, quanto do filho.

Precisa mais motivo para continuar amamentando? Facilita muito na hora de viajar ou passear com o bebê. É prático, está sempre pronto, não tem risco de contaminação e é de graça.

Se o leite materno continua sendo ideal, por que o bebê precisa de outros alimentos?

Se você imaginar que com 6 meses o bebê já pesa mais que o dobro do peso do nascimento (imagina seu peito dobrando de tamanho de novo?!), fica mais fácil entender que só o leite materno não vai dar conta de oferecer tudo o que o bebê necessita.

Seu filho agora precisa de mais energia. Como eu disse, ele começa a se movimentar mais, a gastar mais calorias, a sentar, mexer em tudo, logo vai engatinhar, andar, correr e haja pique!

Além disso, um dia ele vai precisar comer comida, não vai dar para ficar no peito pro resto da vida. Por isso ele precisa começar a se habituar com outros sabores, outros cheiros, outras texturas de alimentos. Para “pegar gosto pela coisa” e aprender a comer de tudo. O sonho de toda mãe. Ele precisa desenvolver e fortalecer a musculatura da face, para logo mastigar de verdade.

Tem alguma vitamina que falta no leite materno?

A única vitamina que o leite materno não consegue compensar e oferecer na totalidade após os 6 meses é o ferro, e por isso dependendo da alimentação dele, pode ser que seu pediatra prescreva o ferro para complementar e evitar a anemia até que o bebê possa consumir tudo o que precisa dos outros alimentos.

Fora isso a vitamina D, que provavelmente ele já toma desde que nasceu.

Lembrando que a recomendação é continuar com o aleitamento materno, até os 2 anos, ou mais. Desde que você e o bebê queiram, claro.

Quer sugerir algum assunto para o próximo post? Escreva nos comentários ou escreva para [email protected]

Já curtiu a Fanpage do Seu Pediiatra (AQUI)? O que achou do novo visual? 

Beijos,

Dra. Fernanda Freire 

Comente pelo Facebook

Leia mais!