22.ago.2016

Pressão alta na gestação! O medo da Pré-Eclampsia!

Oi gurias, hoje tem mais um post da minha doula, a Janine, que também é colunista do Blog. Hoje o post é sobre Pressão Alta na Gravidez! Ah, quem estiver procurando uma doula, super indico a Janine, ela atende Porto Alegre e Grande Porto Alegre, o email dela é [email protected] 

Pressão alta na gestação! O medo da Pré-Eclampsia!

A pressão alta ou, hipertensão arterial na gravidez é diagnóstico de uma gestação de risco. Um pré-natal cuidadoso, investigativo, de início precoce, auxilia na prevenção das complicações, como a eclâmpsia. Fenômeno de gravidade extrema, que pode levar a gestante ao coma e morte, com risco de perda fetal.

Para evitar que esta situação ocorra, temos que atentar para sinais da manifestação que antecede, a chamada pré-eclâmpsia.

A pressão arterial da gestante costuma ser sempre mais baixa nos primeiros três meses, caso isso já se altere é motivo de ficar de sobreaviso.

Como se manifesta a pré-eclâmpsia?

  1. A pressão alta (140 x 90mmHg) já pode anteceder a gestação, quando esta mulher já trata a doença; ou quando se faz o diagnóstico antes das 20 semanas. Os riscos maiores nestes casos são restrição de crescimento fetal e hipertensão grave, podendo evoluir para pré-eclâmpsia;
  2. Quando a pressão se mostra alterada após o 3º trimestre da gestação sem outros sinais e sintomas, pode ser algo transitório, mas devemos ficar sempre de olho; 
  3. A pré-eclâmpsia é quando esta hipertensão surge após as 20 semanas de gestação, com alterações de exames da urina, sangue, funcionamento do fígado, rins e pulmões, também pode acontecer distúrbios visuais e/ou cerebrais.
  4. Eclâmpsia é a evolução grave para crises convulsivas, como se fosse um ataque, com queda, vômitos e perda de consciência, Sempre atentar se antes já surgirem, alteração de visão, dor de cabeça, confusão mental, lentidão.

A solução para a eclâmpsia é o nascimento do bebê!

Frequentemente utilizada como pretexto para a cirurgia cesariana, a pré-eclâmpsia e eclâmpsia não representam indicação absoluta de cesárea. A chance está aumentada em virtude das complicações, se descolamento prematuro de placenta e alterações da vitalidade fetal quando é necessário o parto imediato.

O parto normal é preferível por diversas circunstâncias. Principalmente por sempre haver distúrbios de coagulação na pré-eclâmpsia, o risco de sangramento é muito maior na cirurgia em relação ao parto normal. A indução e a evolução para parto normal em mulheres com pré-eclâmpsia tem desfecho positivo em 74% dos casos.

Muitas vezes, a internação poderá ser indicada após avaliação médica. Gestações com manifestações da pré-eclâmpsia estando com menos de 34 semanas, por vezes necessitam tratamento com corticoide para amadurecimento pulmonar desde feto, pois o parto prematuro é quase uma certeza. A indução já é indicada quando a gestante chega nas 37 semanas se não apresentar sinais de TP, sempre avaliando a apresentação do feto, colo do útero e condições da mãe e bebê.

O Sulfato de magnésio é a medicação utilizada na eclâmpsia, protege os neurônios de mãe e filho, evitando sequelas neurológicas.

Quais os riscos de pré-eclâmpsia?

O parto prematuro com pré-eclâmpsia prévio, pressão alta antes da gravidez, doença renal, diabetes, doença auto-imune, idade maior que 40 anos, gestação de gêmeos, primeira gravidez, história familiar de pré-eclâmpsia.

Quais as recomendações para prevenção?

A suplementação de cálcio em gestantes com baixa ingestão diária e alto risco. Em pacientes com trombofilia, discutir o uso de anticoagulantes. Não é recomendado repouso absoluto ou restrição de atividade física e consumo de sal. O complemento de vitamina C e E não são recomendados por estarem associados a óbitos perinatais.

É importante ressaltar que, o uso de medicações para pressão alta durante a gestação deve ser sempre discutida com o Obstetra e também com o Cardiologista, se possível. No pós parto, reforçar o controle das medidas da pressão arterial e informações de segurança para o lactente sem interrupção do aleitamento materno.

Espero ter esclarecido o assunto para vocês, mamães! Até o próximo post, se quiserem sugerir assuntos, escrevam nos comentários. 

Beijos

Janine

Referências: 

1) Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Gestação de alto risco: manual técnico  / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. – 5. ed. – Brasília : Editora do Ministério da Saúde, 2010. 302 p. – (Série A. Normas e Manuais Técnicos)
 
2) WHO Recommendations for Prevention and Treatment of Pre-Eclampsia and Eclampsia – World Health Organization, 2011.
 

Comente pelo Facebook

Leia mais!