16.dez.2016

Puerpério – os 40 dias após a chegada do bebê!

danibat0009

Foto Danibat Fotografia 

Oi gurias, vocês já ouviram falar em PUERPÉRIO?

É a fase logo após o parto até mais ou menos 40 dias depois, a famosa quarentena. É um momento em que a mãe se dedicará ao máximo ao bebê, mas que também precisa de cuidados. É quando acontecem muitas mudanças hormonais, físicas e psíquicas! Se tivesse que definir em duas palavras diria que é MUITO PUNK! Pois além das mudanças que acontecem com você como mãe, você tem um ser humaninho que depende unica e exclusivamente de você, e ainda outros dois filhos que também dependem, né?

São muitas mudanças em pouco tempo! Normalmente, você teve 9 meses para se preparar para a maior mudança da sua vida, e independente de ser o primeiro ou o décimo filho, cada experiência é única! Seu corpo está mudando novamente, seus órgãos estão voltando para o lugar, sua barriga não abriga seu bebê, mas pode parecer que sim por um tempo, pois ficamos inchadas por um tempo, seu útero contrai, seus peitos enchem de leite, empedram, o mamilo racha, o corpo dói, você sangra por um tempo (até 21 dias ou mais), algumas mulheres tem incontinência, outras hemorroidas, outras ainda tem dor nos pontos (pontos, episiotomia ou corte da cesárea) e em todas as mulheres as lágrimas escorrem pelo rosto… Chora-se de alegria, de medo, de tristeza e sem motivos também…. 

A mulher fica com o humor alterado, ora sensível demais, ora mau humorada demais, ora feliz demais e ora até triste demais, afinal morremos um pouco como mulher e renascemos como mãe, precisamos lidar com esse luto, essa mudança é muito dolorosa, pois deixamos nosso egoísmo de lado e passamos a pensar 24 horas por dia no bebê! Eu diria que beiramos a bipolaridade! A mãe precisa de colo, cuidado, carinho, atenção e amor! Mas se liguem, gurias. sentir tristeza passageira é super normal, massss se a tristeza for persistente o ideal é procurar um médico, converse com sua obstetra e procure ajuda profissional! ATENÇÃO maridos, amigos, avós, prestem atenção à mãe, se ela não tiver bem vocês podem sugerir que elas procurem ajuda, nem sempre  a mãe percebe que precisa de ajuda…

Se antigamente as mulheres da comunidade se cuidavam, se ajudavam, hoje em dia muitas vezes elas se julgam … Se antigamente a mulher recém parida não podia nem lavar o cabelo, hoje em dia ela “tem que” tomar banho ainda no hospital, já que temos que dar conta de tudo, ora bolas, somos super mulheres! Se antigamente a mulher tinha suporte, cuidados, para que assim  ela pudesse cuidar do bebê, hoje em dia quando oferecem ajuda na maioria das vezes é com o bebê e muitas vezes esquecem da mãe! Se antigamente quando os amigos e familiares iam visitar a mãe e o bebê recém nascido preparavam almoço para a família, hoje as visitas chegam e querem bolo quentinho e café! Confesso que as vezes acho que nasci na época errada, porque penso tão diferente do muito que vejo acontecer hoje em dia. Somos cobradas o tempo todo, temos que dar conta de TUDO, e muitas vezes SOZINHAS, porque os a licença paternidade de 5 dias corridos é uma VERGONHA! Ah, sem falar da forma física, esperam que em pouco tempo estejamos usando nossas roupas de antes da gravidez, porque super mulheres precisam ter tempo e disposição para malhar mesmo sem dormir a noite toda, uai!  #PQP

É muito difícil falar do pós parto, pois cada mãe vive uma experiência diferente! Mas vou tentar falar um pouco sobre o pós parto do Santiago…

Logo após o parto fiquei em ÊXTASE, cheia de energia, não conseguia dormir, mesmo dormido super pouco a noite antes do parto. É incrível a energia que temos após o parto normal! Depois de algumas horas foi passando essa energia toda e o cansaço chegou com tudo e mais um pouco! Vocês lembram que comprei as calcinhas absorventes (AQUI) para o pós parto? Foi o melhor investimento, usei durante os dois dias que fiquei no hospital e foi MA-RA-VI-LHO-SO, pois absorve muito bem o sangue, não precisa usar outra calcinha por cima, só essa calcinha mesmo, pressiona a barriga na medida, me senti super segura em relação ao sangramento. Ah, levei cinta de compressão para usar, mas nem tentei colocar, pois ainda estava bem inchada após o parto e não achei que fosse ser confortável.

Na primeira semana em que cheguei em casa me vi “sozinha” com 3 filhos pequenos, todos em casa, o dia todo, e louca! Em função da mudança e do Antônio ter ficado muito doente esse ano, não quis que ele fosse para a escola, então ele ficou em casa até nos mudarmos. Eu precisei de ajuda para os trabalhos da casa, então contratei uma ajudante duas vezes na semana, ela foi minha babá quando pequena, foi um anjo, me ajudou com a casa e até com os guris, dando atenção enquanto amamentava. Claro que a ajuda foi ótima, massss mesmo assim foi super cansativo, pois estamos conhecendo aquele bebê que já amamos muito, mas tudo é novo! Santiago teve bastante gases, chorava, se contorcia, só acalmava no colo e eu quase não dormia. Eu chorei alguns momentos, chorava de alegria por ter tido um filho cheio de saúde, no tempo certo, depois de ficar 9 semanas em repouso, e também chorei de tristeza ao ver minha barriga no espelho e não caber nas minhas calças de antes da gravidez… (sim, sou dessas) A primeira semana foi a mais difícil, mas eu sabia que ia passar e até que passou rápido…

Na segunda semana, as coisas começaram a melhorar, enxerguei uma luz no fim do túnel. O sangramento diminui muuuito, os gases do Santi também, a minha barriga diminuiu e até a ansiedade diminuiu, pois maridão encontrou uma casa na cidade nova, essa casa que estamos morando! O cansaço ainda era enorme, pois além de cuidar de 3 filhos, da casa, de mim, o maridão que é meu braço direito tem viajado bastante, então me senti sobrecarregada, mas sabia que era uma fase e iria passar… #mantrademãe

A terceira semana, foi muito boa, pois começamos a ter uma rotina com os três. Não sei se meu corpo se acostumou com a nova rotina, mas me sentia mais disposta. O sangramento finalmente parou completamente e melhorou muito meu humor. Confesso que a mudança para o interior e para uma casa me deixavam mais ANIMADA do que cansada, hehe apesar do cansaço que é mudar, ainda mais com bebê recém nascido. para mim é também uma oportunidade de renovar as energias! 

A quarta e quinta semana passaram voando em função da nossa mudança. Eu me dediquei muito a separar tudo que levaríamos para a casa nova, e separar coisas para doarmos… Confesso que não tive tempo de ouvir meu corpo, não pude me dedicar exclusivamente aos guris, mas tem horas que precisamos fazer o que precisa ser feito e não o que queremos… E nessas horas só pensava que iria passar e logo mais teríamos uma vida nova, uma rotina nova, casa nova, cidade nova e tudo iria se encaminhar…

Na sexta semana nos mudamos e nossas vidas mudaram completamente! Como eu queria muito mudar, acredito que isso afetou positivamente para que essas semanas fossem mais leve! Apesar do cansaço que é mudar com filhos pequeno e um recém nascido, mudar para uma cidade pequena e para uma casa foi maravilhoso! Posso falar que nesses 40 dias me senti muito melhor fisicamente, mas emocionalmente andei e ando no limite do cansaço! Não dormir me afeta e tira do eixo, mas como o Santiago é meu terceiro filho, me cobro menos, sei que ainda tenho muitas noites mal dormidas pela frente e sei que um dia voltarei a dormir a noite inteira, isso me faz curtir mais até os momentos difíceis, e quando estou cansada demais, me jogo com ele na cama e durmo também, deixando para depois o que pode ser feito depois! Esse foi o meu pós parto, a minha quarentena… 

Vocês já se perguntaram o que realmente precisamos no pós parto? Acho muito difícil se preparar antes de saber o que está por vir, porque só vamos saber lidar na prática e como cada filho é único e cada experiência é única, só na prática mesmo… Mas para mim tem algumas coisas que fizeram e fazem a diferença quando se tem um bebê em casa e vou compartilhar com vocês:

  • Apoio do marido nas mamadas da madrugada, já que o pai não pode amamentar, ele pode revesar as trocas de fralda, fazer arrotar, colocar de volta no berço;
  • Apoio do marido caso tenham mais filhos, a mãe vai se dedicar mais ao bebê e o pai aos outros filhos, seja nas brincadeiras ou cuidados, algumas vezes os outros filhos podem rejeitar os cuidados da mãe no começo, já que ela tem se dedicado mais ao bebê, e também pode acontecer o oposto, os filhos quererem a mãe para tudo, hehehehe;
  • Visitas, eu AMO receber visitas, mas desde que visitas que cuidem de ti! Que levam um bolo, uma quentinha pronta para facilitar a vida da mãe, se oferecem para lavar a louça, ainda que eu não deixe, ou levar seus outros filhos para um programa, já que você precisa dar mais atenção ao recém nascido e menos para tarefas de casa. Isso NÃO É FOLGA gente, isso é AMOR;
  • Massagem e companhia para conversar e desabafar, amigas são sempre bem vindas, deem muito amor, colo, ouvido, massagem, só deem opinião e conselhos se a mãe pedir, senão dê amor que acertará em cheio, nesse momento a mãe está sensível demais;
  • Saber que apesar das dificuldade, tudo vai passar! Esse é o mantra das mães, tudo passa, tudo sempre passará, as coisas boas e as não tão boas, então CURTA MUITO!

E por aí, como foi o pós parto? Alguma dica para as mães que em breve passarão pelo puerpério?

Beijos

Angi

Comente pelo Facebook

Leia mais!