25.maio.2011

Sabendo o preço de tudo e o valor de nada!

Tudo começou quando os homens tiveram de se alistar para a guerra, tornou-se uma necessidade prática as mulheres ajudarem a sustentar a família. Mas, quando a guerra acabou, os homens que voltaram para casa descobriram que, em muitos casos, teriam de competir com as mulheres pelos empregos disponíveis. Como resultado, números crescentes de famílias com pai e mãe trabalhando fora foram surgindo e ter filhos subitamente tornou-se um sério problema logístico. Como a mãe poderia trabalhar fora se seus bebês requeriam atenção constante? A maioria simplesmente impôs sobre os avós, ou sobre outros membros da família, a responsabilidade de cuidar das crianças! Mas logo essas providências se mostraram insatisfatórias, uma vez que as pessoas se cansavam de ter de assumir as responsabilidades e despesas inerentes a esse cuidado de longo prazo.
Conseqüentemente o problema se tornou tão grande, que os empreendedores encontraram ai uma oportunidade de negócio, e abriram creches para cuidar de crianças,cobrando uma mensalidade, é claro. O que começou como uma conveniência tornou-se uma necessidade absoluta para a maioria das mães trabalhadoras. Mas um dos problemas mais sérios é que “estranhos” começaram a passar mais tempo com as crianças pequenas do que suas mães.
A busca para ter de tudo tornou-se uma tremenda carga psicológica sobre as mulheres que  optaram por abrir mão de ter seus filhos para poderem seguir uma carreira profissional ou  permitiram que seus bebês fossem criados por outras pessoas. Além disso, aquela comidinha gostosa e feita com todo carinho que só a nossa mãe faz, deu lugar às refeições rápidas satisfazerem seu apetite rapidamente. 
Para compensar o tempo perdido com o filho, muitos pais enchem seus filhos de brinquedos,e bens materiais, entretanto, o aspecto mais prejudicial do mimo excessivo se manifesta em uma total desconexão entre saber o que as coisas custam e o esforço que precisa ser feito para ganhar o dinheiro necessário para pagar por elas. A maioria das crianças de hoje pode dizer o preço exato das coisas que elas consideram essenciais para viver e possivelmente não têm qualquer interesse em saber o esforço que seus pais precisam fazer para trabalhar e pagar por elas. E é um grande engano quando os pais deixam de ensinar que “dinheiro não nasce em árvore”. Porque quando a maioria se torna adulta e vai viver por conta própria, eles vão se encontrar em trabalhos de nível inicial, em que a renda deve ser rigidamente orçada para pagar as necessidades básicas. Então, quando são acrescentados casamento e filhos à mistura, isto quase sempre leva a uma séria tensão no relacionamento conjugal devido às finanças apertadas. Sob a melhor das circunstâncias, a maioria de jovens casais vai experimentar vários anos tendo de ‘contar as moedas’ para conseguir sobreviver. 
A maioria nunca teve de realmente ganhar uma mesada por meio de esforço, de modo que a filosofia de “vem fácil, vai fácil” é rapidamente adotada.Qualquer criança que tenha idade para receber uma mesada é crescida o suficiente para trabalhar por ela e os pais lhe prestam um grande desserviço se não a fizerem entender a realidade que está por trás da remuneração recebida para realizar certos tipos de trabalho. 
Comece encontrando algumas tarefas que as crianças possam realizar e faça-as ganhar o dinheiro para suas pequenas despesas, telefone celular e jogos eletrônicos. Exija que elas arrumem suas próprias camas, mantenham seus quartos limpos, coloquem a roupa suja e o lixo nos lugares corretos. Ensine-as a guardar seus brinquedos quando terminarem de brincar, assim aprenderão o valor do dinheiro e de quebra, se tornarão alguém que será uma alegria e não um fardo para o cônjuge quando se casarem!
Sem dúvida fazemos o que podemos  para educar nossos filhos, assim como nossos pais fizeram, sem culpas nem desculpas, temos que fazer o que achamos ser melhor a nossos filhos, essa questão de saber ensinar o valor das coisas é uma tarefa árdua. Como vocês fazem nas suas casas? Vamos trocar umas figurinhas,meninas!

Comente pelo Facebook

Leia mais!