26.abr.2011

Sabonete Antibacteriano: usar ou NÃO USAR?

Mais um assunto que me deixa de cabelos em pé, tudo bem que meu cabelo fica em pé facin, são os tais de sabonetes antibacterianos, antibactericida. Meu gatão é biólogo, e é super contra esses sabonetes. Eu resolvi ler um artigo para me informar e achei ótimo. Caso queiram ler também clique aqui ou aqui. E poderão tirar suas próprias conclusões!
Aqui em casa só da Nivea, Lux, e por aí vai…nada de PROTEX…e novas marcas no mercado.
A melhor maneira de se proteger de bactérias é praticar bons hábitos de higiene, como usar desinfetantes para as mãos a base de álcool e ficar longe de pessoas resfriadas continuam válidos. 

Testando o sabonete antibacteriano

” Em julho de 2000, a Conferência de Doenças Infecciosas Emergentes em Atlanta, destacou várias apresentações referentes à relação entre o estilo de vida antibacteriano e a emergência de bactérias resistentes. Um dos apresentadores foi Stuart B. Levy, que apresentou um trabalho intitulado “Produtos Domésticos Antibacterianos: Motivo para Preocupação”.
Nesse trabalho, Levy detalha estudos que sugerem que as pessoas podiam estar às portas de um mundo onde as bactérias – devido ao uso de produtos antibacterianos e uso incorreto de antibióticos – poderiam superar a capacidade das pessoas de matá-las.
Cinco anos depois, Levy foi parte de um outro estudo com cinco colegas em sua área, onde as descobertas foram muito diferentes. Os cientistas dividiram 224 residências em duas categorias: aquelas as quais eram dados produtos antibacterianos e aquelas que não os recebiam. O estudo durou um ano e analisou famílias com estilos de vida semelhantes.


O que os pesquisadores descobriram é que não havia diferença significativa na quantidade de bactérias mortas pelo uso de sabonete antibacteriano em relação ao uso de sabonete comum. Eles também descobriram que não havia aumento significativo da presença de bactérias resistentes nas casas que usaram produtos antibacterianos.

Essas descobertas foram surpreendentes. Primeiro, o estudo diz que o sabonete antibacteriano não é a melhor forma na matança de germes que o sabonete comum. Também diz que as bactérias não mutaram em superbactérias nas casas que usaram sabonete antibacteriano. O estudo, intitulado “Produtos de Limpeza Antibacterianos e Resistência às Drogas”, contém uma advertência: um ano pode não ter sido suficiente para obter resultados conclusivos [fonte: Aiello].
Dois anos depois, alguns dos mesmos pesquisadores do estudo de 2005 realizaram outra experiência. Mais uma vez, os pesquisadores descobriram que o sabonete antibacteriano não apresentou vantagem sobre o sabonete comum em sua habilidade de matar bactérias. Mas foram também coletados dados que sugeriram que as bactérias estavam, de fato, desenvolvendo cada vez mais resistência cruzada em função do uso de antibacterianos.
Será que é hora de entrar em pânico? Os resultados são inconclusivos. Embora os microbiólogos registrem a mutação de algumas bactérias como resultado de sua exposição a agentes antibacterianos, isso foi feito apenas em laboratório, e não no mundo real. Ainda assim, os cientistas acreditam que a mutação bacteriana pode ser inevitável e continuam os seus estudos. “

E me veio uma pergunta: se os sabonetes antibacterianos são realmente perigosos e podem causar danos a longo prazo, porque ainda são vendidos livremente nos supermercados, drogarias e perfumarias?

Affe!
Beijos da mamãe neura – brincadeira!!

Comente pelo Facebook

Leia mais!