14.jul.2016

Tenha uma DOULA!

Oi gurias, hoje quero apresentar para vocês a nova colunista do Blog Mãe de Guri, além de nova colunista, ela é minha DOULA! A Janine escreverá sobre o universo feminino, gravidez, parto, pós parto, então se vocês tiverem dúvidas podem postar nos comentários que vamos anotando as ideias para futuros posts, tá? Seja super bem vinda, Janine! Ah, quem quiser uma doula para chamar de sua, super indico a minha, seu email é [email protected]

DOULA_7c

Imagem da Barbara do Sete Cores Atelier!

Doula vem do grego “mulher que serve outra mulher”. Termo utilizado em contexto científico desde 1976 refere-se a uma mulher experiente que oferece à gestante e os demais envolvidos no processo da gravidez, apoio físico, emocional e informativo antes, durante e depois do parto.

Desde antigamente, a mulher (parturiente) era acompanhada durante o parto por mulheres. Avós, mães, irmãs ou vizinhas, na maioria das vezes, não obrigatoriamente, que já haviam passado pela mesma experiência. Após o parto, esta rede de apoio estendia-se durante as primeiras semanas de vida do bebê, onde estas pessoas permaneciam na casa da puérpera, cuidando dos afazeres domésticos.

Com os avanços da medicina, esta assistência foi transferida para uma equipe especializada e hospitalar, mudando costumes e práticas do nascimento que ocorreram durante anos, incluindo posição do parto, medicamentos obstétricos, monitorações fetais. Na esfera médica e tecnológica, cada um com sua função bem definida no cenário do parto, surge um questionamento: quem cuida do bem estar físico e emocional daquela futura mãe?

O ambiente mecanizado, o grande número de pessoas desconhecidas ao redor, tende a fazer o íntimo desta mulher ser afetado, aumentando o seu medo, a sua dor e a ansiedade para a hora do parto, muitas mães tem passado período variável de tempo durante o trabalho de parto sozinhas. Este espaço pode e deve ser preenchido pela doula, que se encarregará de suprir essa demanda de emoção e afeto.

O papel da doula antes do parto é de orientar sobre o que esperar do parto e pós-parto, informar sobre procedimentos e ajudar na preparação emocional e física de variadas formas. Durante o trabalho de parto a doula favorece a manutenção de um ambiente tranquilo e acolhedor, com silêncio e privacidade, estimula a participação do acompanhante, ajuda a parturiente a encontrar posições mais confortáveis para o trabalho de parto e parto, mostra formas eficientes de respiração e propõe medidas naturais que podem aliviar as dores, como banhos, massagens, relaxamento, etc. Após o parto ela realiza visitas à nova família, oferecendo apoio para o período de pós-parto, incentivando o aleitamento materno exclusivo e cuidados com o recém-nascido.

A doula não substitui o pai ou o acompanhante de escolha da gestante, não interfere em qualquer conduta dos profissionais tradicionalmente envolvidos na assistência ao parto, não é sua função discutir procedimentos com a equipe ou questionar decisões.

Segundo o Ministério da Saúde, diversos ensaios clínicos sugerem que o acompanhamento da parturiente pela doula reduz a duração do trabalho de parto, o uso de medicações para alívio da dor e o número de partos operatórios (fórceps, vácuo, episiotomia). Alguns estudos também mostram a redução do número de cesáreas. Além destas vantagens, também é observado que os grupos de parturientes acompanhadas durante o parto pela doula têm menos depressão pós-parto e amamentam seus recém-nascidos nas primeiras seis semanas de vida em maior proporção que as parturientes dos grupos de controle. Este tipo de apoio parece ter vários benefícios para as mães e seus recém-nascidos, sem nenhum efeito danoso. Tal apoio emocional pressupõe, entre ambos envolvidos, a presença, o escutar, o dar segurança e afirmação. Quando os estudos avaliaram os efeitos desta intervenção sobre a vivência das mulheres quanto ao nascimento, todos os resultados foram favoráveis ao grupo recebendo este apoio contínuo.

A organização Mundial da Saúde (OMS) e o Ministério da Saúde de vários países entre eles o Brasil (portaria 28 de maio de 2003) reconhecem após pesquisas cientificas a enorme contribuição da presença da doula nesse momento tão significativo e de tão profundas repercussões futuras. Desde 2013, doula é registrada legalmente na CBO – Classificação Brasileira de Ocupações.

Todo este trabalho descrito é o centro de etapas fundamentais para a humanização do parto e do atendimento a esta mulher para um nascimento respeitoso. Humanizar é acreditar na fisiologia da gestação e do parto.
É respeitar aspectos culturais, individuais, psíquicos e emocionais da mulher e de sua família.
Humanizar é devolver o protagonismo do parto à mulher.
É garantir-lhe o direito de conhecimento e escolha.

“Para mudar o mundo é preciso antes, mudar a forma de nascer” (Michel Odent)

Referências bibliográficas:

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Área Técnica de Saúde da Mulher. Parto, aborto e puerpério:Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticos de Saúde. Área Técnica de Saúde da Mulher. Parto, aborto e puerpério: assistência humanizada à mulher/Ministério da Saúde, Secretaria de Políticas de Saúde, Área Técnica da Mulher. – Brasília: Ministério da Saúde, 2001Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticos de Saúde. Área Técnica de Saúde da Mulher. Parto, aborto e puerpério: assistência humanizada à mulher/Ministério da Saúde, Secretaria de Políticas de Saúde, Área Técnica da Mulher. – Brasília: Ministério da Saúde, 2001 assistência humanizada à mulher/Ministério da Saúde, Secretaria de Políticas da Saúde, Área Técnica da Mulher. – Brasília: Ministério da Saúde, 2001.

Scott, K.D., Berkowitz, G., Klauss, M. (1999): A Comparison of intermittent and continuous support during labor: A meta- analysis. Am J Obstet Gynecol. 1999 May; 180(5):1054-9.

Raphael, D.: The Tender Gift: Breastfeeding. Englewood Cliffs, NJ, PrenticeHall.1976.

Klaus M.H., Kennel J.H., Robertson S. S., Sosa R.. (1986): Effects of social support during parturition on maternal and infant morbidity Br Med J 293: 585-7.

Hodnett, ED. (2000): Caregiver support for women during childbirth. In: The Cochrane Library, Issue 3, 2000. Oxford: Update Software.

Hodnett, E.D., Osborn, R. (1989): Effect of continuous intrapartum professional support on childbirth outcomes, Res Nurs Health 12: 289-97.

Jablonski, Camilla Dalla Porta Acosta (2006). Tese de Mestrado em Saúde e Comportamento. Escola de Psicologia e Medicina, Universidade Católica de Pelotas, RS, Brasil. Papel de doulas jovens e inexperientes no suporte do trabalho de parto.

O que é parto humanizado? Blog Despertar do Parto. Ribeirão Preto. Eleonora de Moraes. Julho de 2012.

Texto: Janine Franceschi

partodobem_0010

Enfermeira pela UNISINOS em 2002, especialista em Terapia Intensiva e Cardiologia, descobriu sua verdadeira vocação após o nascimento de seus dois filhos, ambos de parto normal. Apaixonada pelo universo materno infantil decidiu aliar seu conhecimento em enfermagem e abraçar sua nova função, passando a atuar como doula. Presta consultoria sobre aspectos fisiológicos da gestação, parto e pós parto com base em evidências científicas, além de utilizar técnicas de massagem Ayurveda relaxante para gestantes e puérperas e Shantala para bebês.

Comente pelo Facebook

Leia mais!