25.fev.2015

Vamos falar sobre os tiques?

tique nervoso

Certamente se nós adultos, lembrarmos-nos da nossa infância algum tipo de tique ou alguma mania nos será familiar ou, lembraremos daquele amiguinho da rua ou daquela colega de escola que “era cheia de tiques”. Emitir sons, falar palavrões, estalar os dedos da mão ou o pescoço, piscar o olho repetidas vezes, fazer caretas, o levantar de sobrancelhas ou ainda os estalos de língua são alguns dos tipos de tiques que, com frequência observamos em crianças e muitas vezes, em adultos.

Pois, é bom saber que os tiques são comuns durante a infância e sabe-se que costumam ocorrer mais em meninos do que em meninas. Mas, o que temos que diferenciar é se estas “manias” são transitórias e claramente desencadeadas por fatores externos, tais como a criança mudar de cidade ou ter passado por algum nível de estresse evidente ou estes comportamentos não são simples manifestações e então, englobam um distúrbio chamado de Síndrome de Tourette (ST).

Bom, primeiro vamos tentar esclarecer o que é de fato o tique nervoso. Como o próprio nome nos leva a pensar, o tique nervoso é um movimento involuntário, repetitivo e de curta duração e poderá aparecer em qualquer parte do corpo; geralmente surge na infância e costuma aparecer durante o dia. Tende a ficar amenizado ou até a desaparecer no começo da adolescência, além disso, pode ser que o tique seja apenas uma forma que a criança encontrou para liberar sua tensão. Por ser um ato compulsivo, o tique não é uma birra ou um costume da criança.

Muitos dos pequenos desenvolvem estas “manias” a fim de descarregar uma emoção e por isso, os tiques surgem justamente, depois de situações sentidas pela criança como importantes, como por exemplo, o nascimento do irmão, a separação dos pais, a mudança de escola ou ainda, algum outro conflito pelo qual o pequeno não esteja “dando conta”.

Temos que ficar atentos ao grau de sofrimento que os tiques implicam na vida de seu filho! Se ele sente-se diferente dos amigos e por isso passa a evitar brincadeiras em grupo, se é motivo de piadas ou se tais comportamentos tomam tempo e estão intensificando-se na sua rotina. Caso isso seja observado, seria adequado consultar o pediatra e/ou o psicólogo para que uma avaliação seja feita, para analisar se podem ser “manias” transitórias ou se estas fazem parte da Síndrome de Tourret (ST).

De forma ampla, a ST é um distúrbio neuropsiquiátrico caracterizado pela presença de múltiplos tiques com diferentes manifestações (motoras e vocais). Ou seja, quando os tiques aparecem em grande quantidade e vários destes são associados a vocalizações; quando costumam ocorrer várias vezes ao dia, quase todos os dias e pelo menos há 1 ano ou mais. Além disso, tais comportamentos, não estão associados a outra condição médica. Ok?!

Por isso, caso os pais notem tais “manias” de forma acentuada nos filhos, é preciso buscar ajuda especializada para auxiliar o quanto antes a criança.

Mas, se esses tiques forem momentâneos, como os pais podem ajudar os filhos nessa etapa? Carinho e paciência sempre serão bem-vindos. Porém, é importante criar um clima de tranquilidade (por serem manifestações da ansiedade); evitar corrigir a criança o tempo todo, as frequentes críticas aumentam a ansiedade e favorecem o tique; estimular as atividades físicas, sendo outra forma de aliviar a tensão e relaxar o corpo; manter uma rotina; não evidenciar o tique, evitando chamar a atenção para ele.

De qualquer forma, essas são apenas algumas maneiras das muitas que cada mãe e cada pai irá encontrar para ajudar seu filho a compreender o que lhe incomoda e como todos podem colaborar nessa fase das manias e dos tiques! Paciência e compreensão aliviam qualquer coração!

Luiza Cantarelli Coradini
Psicóloga Clínica
CRP: 07/20819
Especialista em Psicoterapia da Infância e Adolescência  

Email: [email protected], pergunte sobre o desconto para leitoras do Blog.

Comente pelo Facebook

Leia mais!